Madrid


Aspetos Geográficos

Madrid é a capital de Espanha e da província com o mesmo nome e localiza-se junto ao rio Manzanares em Castilha-a-Nova, no centro geográfico da Meseta espanhola. Está situada a 660 m de altitude. Por causa da sua distância ao mar e da altitude, a cidade tem um clima temperado com invernos frios e verões quentes, com temperaturas por vezes a ultrapassarem os 40 °C, pelo que a primavera e o outono são as melhores épocas para visitar a cidade.
A sua população é de 3 290 000 habitantes (2004) e a zona que a circunda é conhecida por Comunidade de Madrid. Mais afastadas ficam as províncias de Guadalajara, Cuenca, Toledo, Ávila e Segóvia. O natural ou habitante de Madrid denomina-se madrileno, madrilense, madrilês ou matritense.

História e Monumentos

As origens da cidade prendem-se com a existência de uma fortaleza que foi construída na segunda metade do século IX pelo califa de Córdova Maomé I, no local onde hoje se encontra o Palácio Real. Foi no interior dessa muralha que se desenvolveu a antiga cidadela (almudena). Este primeiro recinto amuralhado da cidade muçulmana designava-se "Mayrit" e foi sobre este espaço que se levantou, nos finais do século XIX, a Catedral de Santa Maria de Almudena, a mando do Marquês de Cubas. No final da Idade Média, a cidadela perdeu a sua importância estratégica e militar, mas os reis de Castela frequentavam-na, já que iam caçar nos montes junto ao Pardo. Em 1561, Felipe II estabeleceu em Madrid o seu governo e a sua residência até 1601. Com Filipe III, Madrid perdeu prestígio temporariamente, devido à mudança da sede de Governo para Valhadolid, mas, em 1606, o próprio Felipe III elegeu-a oficialmente como capital do reino. Em 1734 foi construído o novo Palácio Real, na sequência do incêndio do antigo alcazar. Foi durante o reinado de Carlos III que se abriram amplas avenidas e que se ergueram as portas da cidade, como a Porta de Alcalá, e que se construíram muitos dos edifícios oficiais. Após a guerra civil (1936-1939), Madrid foi alvo de um enorme desenvolvimento.
Segue-se uma lista de alguns dos principais monumentos madrilenos:
O Palácio Real, também conhecido como Palácio do Oriente, é um dos mais importantes da Europa, pois encerra todos os tesouros acumulados pelos reis espanhóis. Este continua a cumprir a sua função para a representação do Estado, sendo o lugar onde decorrem as cerimónias de honra que o rei oferece aos chefes de Estado que visitam oficialmente Madrid e se celebram atos oficiais importantes, tais como a assinatura da adesão de Espanha à Comunidade Económica Europeia e a Conferência de Paz no Médio Oriente. Reúne quadros de Velázquez, Goya, Meng, Rubens, Teniers, Winterhalter, assim como tapetes flamengos, franceses e espanhóis; uma coleção de relógios única no Mundo; porcelanas, pratas, etc. Corresponde a um palácio-museu onde é possível contactar com a História de Espanha.
A Praça Maior é o primeiro grande conjunto urbanístico de Madrid dos Astúrias (designação muito comum desta cidade, em homenagem aos monarcas da casa de Hasburgo, que reinaram em Espanha entre os séculos XVI e XVII). Praça cortesã e mercantil, foi mandada construir sobre a sua antecessora medieval - a Praça do Arrabal, por Juan Gómez Mora, no princípio do século XVII, durante o reinado de Felipe III.
A Porta de Alcalá, situada na Praça da Independência, constitui um arco triunfal de entrada na cidade. Converteu-se no acesso principal a Madrid por vontade expressa de Carlos III. Foi construída por Sabatini entre 1774 e 1778 e decorada com esculturas de Francisco Gutiérrez e Roberto Michel. É de destacar a diferente decoração das suas duas faces, ressaltando na exterior a base de colunas, enquanto que na interior predominam pilares.
A Porta do Sol, localizada no coração de Madrid, surge em 1478, como porta da cerca da Praça do Arrabal. Conserva-se La Casa del Correo, construída no reinado de Carlos III, e atualmente sede da Presidência da Comunidade Autónoma de Madrid. A forma atual da praça remonta ao século XIX.
A Cibeles, localizada na zona denominada "centro", corresponde à fonte dedicada à ditosa Cibeles, representa a terra e é uma obra de Francisco Gutiérrez e Roberto Michel. Corresponde a um dos mais importantes símbolos da cidade.
A Fonte de Apolo e as Quatro Estações representa o Sol e em definitivo o monarca. Foi concebida por Giraldo de Bergaz e Manuel Álvarez.
A Fonte de Neptuno é uma representação das águas e foi executada por Juan Pascual de Mena e José Aryas.

Aspetos Turísticos e Curiosidades

A gastronomia tradicional de Madrid é uma das mais ricas de Espanha, dado que ao longo dos séculos diferentes pessoas de diferentes regiões de Espanha deixaram os seus costumes e a sua forma de cozinhar. As suas especialidades são, no entanto, o tradicional cozido madrileno e os callos. É também muito típico o licor de medronho.
Madrid é berço de uma das casas reais mais poderosas da Europa e foi Capital Europeia da Cultura em 1992. É uma cidade de romarias e de festas, muitas delas imortalizadas nas pinturas de Goya. Das suas múltiplas igrejas a mais significativa é dedicada ao padroeiro de Madrid - Santo Isidro. Como cidade de ócio, possui uma intensa vida noturna com muitas atrações, pode contar com cerca de 150 salas de cinema e 30 teatros, bares e esplanadas em praças e ao longo das avenidas. No Festival de outono (de finais de setembro a meados de novembro), ocorrem os espetáculos mais importantes da música, do teatro e da dança. O Festival Internacional de Dança tem lugar no início da primavera. Em janeiro começa a temporada de ópera e no mês de março celebra-se o Festival Internacional de Cinema - IMAGFIC. Durante o verão decorre o ciclo dedicado à Zarzuela, género musical genuíno de Espanha. O Rastro é um pitoresco mercado que decorre todos os domingos de manhã onde se podem comprar coisas insólitas, antiguidades, livros usados, etc.
Seguem-se alguns dos principais museus da cidade:
O Museu do Prado, situado num belo edifício neoclássico, inaugurado em 1819 como Pinacoteca Nacional, reúne a melhor coleção de pintura europeia que se conhece. Possuindo quadros procedentes das antigas coleções reais e de igrejas e conventos que existiram até ao século XIX, torna-se centro indispensável para o conhecimento da pintura espanhola, flamenga, italiana e de outros países, desde o século XV até ao século XIX. Nele estão expostas obras de Velázquez, Goya, El Greco, Zurbarán, Murillo, Botticelli, Tiziano, El Verones, Tintoretto, Rubens, Van Dyck, Gossaert, Rembrandt, Poussin, El Bosco, etc. Também se pode admirar o famoso Tesoro del Delfín, que corresponde a uma coleção de joias e peças lavradas em pedras nobres que pertenceram ao Delfim de França e que foi herdado por seu filho Felipe V de Espanha.
O Museu Arqueológico fica localizado no Barrio de Salamanca. Este espaço cultural reúne toda a História de Espanha, desde a Pré-História até ao século XVII. Podem admirar-se neste museu uma coleção egiptológica, com a sua sala de sarcófagos, as salas dedicadas à Grécia, Roma, à arte visigoda, românica, gótica, renascentista, etc. É na parte traseira deste edifício que se situa a Biblioteca Nacional.
O Museu Sorolla, situado no Barrio de Salamanca, está dedicado ao pintor Sorrolla, já que o edifício constituiu residência e estúdio particular do iluminista valenciano. Nele estão expostas todas as obras representativas das etapas pelas quais passou o pintor, incluindo as valencianas.
O Museu Lázaro Galdiano corresponde ao palacete particular deste grande colecionista espanhol. Podem encontrar-se desde retábulos flamengos até estátuas do Renascimento italiano, uma ampla coleção de pinturas espanholas de todas as épocas e uma coleção de leques (abanicos) muito apreciada pelo próprio Galdiano.
O Museu Etnológico possibilita o contacto com coleções das culturas orientais, principalmente filipina.
O Museu Municipal acolhe a História de Madrid com uma série de porcelanas da velha fábrica del Buen Retiro.
O Museu da América apresenta coleções das culturas pré-colombianas, como o tesouro dos Quimbayas ou o Códice asteca, assim como importantes recordações artísticas da época colonial espanhola.
Esta capital europeia, apesar de se localizar numa região seca, possui mais de 20 parques e jardins públicos. É de destacar o Parque do Retiro, que corresponde a uma velha propriedade régia, e a Casa de Campo, que possui um lago artificial para a prática de desportos náuticos. Este parque é mais agreste do que o anterior e é completado pelo parque de atrações e pelo jardim zoológico. Pode chegar-se até este espaço por meio de teleférico. O jardim botânico, mandado construir por Carlos III, é de grande interesse histórico e científico. A cidade conta ainda com um hipódromo e múltiplos monumentos equestres. A tauromaquia está associada ao património cultural ibérico, sendo a Praça de Touros de Las Ventas uma das mais prestigiadas
Nesta metrópole europeia decorrem anualmente numerosos congressos e reuniões comerciais e financeiras. É uma capital com um ambiente heterogéneo, com muito comércio e espaços de acolhimento.

Economia

Para chegar a Madrid existem várias opções, como por exemplo o aeroporto internacional de Barajas, que durante o ano sofre um intenso tráfego aéreo, já que praticamente todas as companhias internacionais têm esta capital como ponto de destino. A conexão de Barajas com o centro da cidade pode ser feita através das linhas de autocarros, metro e táxi.
A partir do comboio, as ligações com o Norte e o Nordeste de Espanha e com a França chegam à moderna estação de Chamartín, situada no norte da cidade, na Avenida Pio XII. A estação de Príncipe Pio, no Passeio da Florida, recebe os viajantes que chegam do Noroeste e de Portugal. A estação Atocha, localizada na Praça Carlos V, é o ponto de destino dos comboios procedentes do Sul e nela está o terminal do AVE (linha de alta velocidade), que une Madrid a Cuidad Real, Córdova e Sevilha. Várias linhas de autocarros, metro e táxi ligam as três estações a qualquer ponto da cidade.
De camioneta, as ligações internacionais são asseguradas pela Estação Sul, na Rua das Canárias, próxima da Praça de Carlos V. Além deste, existe um outro terminal a sul da cidade, com melhores acessos e ligações.
A primeira linha do metropolitano de Madrid foi inaugurada pelo rei Alfonso XIII em 1919 e atualmente possui um serviço diário das 6 às 24 horas.
Madrid conta com mais de 800 estabelecimentos hoteleiros, desde os mais luxuosos às mais modestas pensões populares.
A capital espanhola é, depois de Barcelona, o segundo maior centro industrial do país, com indústrias de aeronâutica, equipamento elétrico, maquinaria agrícola, artigos em pele, indústria química, farmacêutica, etc. Possui um largo número de instituições ligadas à educação, entre as quais várias universidades.
Como referenciar: Madrid in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-08-24 08:46:09]. Disponível na Internet: