Mansilla e Tuñon

Luis Moreno Mansilla (1958-) e Emilio Tuñón Álvarez (1959-) , arquitetos espanhóis, nasceram em Madrid. Licenciaram-se ambos em Madrid, o primeiro em 1983 e o segundo em 1981.
Lecionaram na Escola de Arquitetura de Madrid, editaram a revista Circo e participaram na fundação da publicação mensal Pasajes de Arquitetura y Critica.
Colaboram ambos com o arquiteto Rafael Moneo, em particular na remodelação da estação ferroviária Atocha, Madrid (1985-1992), colaboração essa fulcral na formação teórica e profissional destes dois arquitetos.
Emilio Tuñón executou individualmente o restauro da Igreja dos Jesuítas, Alcalá de Henares (1983-1985) e o Teatro Rojas, Toledo (1985-1988).
Em parceria realizaram o Museu Provincial de Arqueologia e Belas-Artes de Zamora (1989-1995), obra que os deu a conhecer e com a qual se afirmaram de modo indiscutível. Destaque também para a Piscina Municipal de San Fernando de Henares, Madrid (1996-1998). Realizaram ainda, através de concursos nacionais, o Auditório de León, o Centro Cultural El Águila, Madrid, e o Museu de Belas-Artes de Castellón. Este último é obra finalista no Prémio Enric Miralles Fundación Caja de Arquitetos 2001.
O trabalho desta dupla evidencia-se pelo rigor conceptual da forma na relação intrínseca que estabelece com a tecnologia construtiva. Com um reportório neomoderno de conceitos, elementos e materiais, distanciam-se de outros pela especificidade de cada obra ou projeto, especificidade essa que reside na vontade de inovação. Esta é conseguida não de modo aparatoso ou superficial, mas equacionando de um modo inusitado proporções espaciais, tecnologia dos materiais e uma potente plasticidade da imagem do edifício tudo isto enquadrado no programa de cada projeto, no seu contexto específico e com recursos e elementos simples, quase banais e elementares.
Como referenciar: Mansilla e Tuñon in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-11-27 11:53:02]. Disponível na Internet: