Manuel Mendes

Jornalista, ficcionista, ensaísta, tradutor, escultor e crítico de arte, Manuel Joaquim Mendes nasceu a 18 de janeiro de 1906 e faleceu a 4 de maio de 1969. Conviveu com António Sérgio, Raul Proença, Jaime Cortesão, Câmara Reis, colaborando em periódicos que marcaram a cultura portuguesa do segundo quartel do século XX, como Seara Nova, Revista de Portugal ou Vértice. Desenvolveu na clandestinidade atividade política de luta contra o regime salazarista, integrou a Frente Popular durante a Guerra Civil de Espanha, foi membro da Comissão Central do Movimento de Unidade Democrática, dirigiu a Ação Socialista Portuguesa. A sua obra literária, comprometida com as linhas fundamentais da prosa neorrealista, apresenta-nos gente comum, movendo-se no quadro de preocupações e situações quotidianas, descritas de forma direta e sem artifícios, numa escrita produzida por "mãos toscas mas sinceras", sob o imperativo fundamental de "narrar a inenarrável riqueza e frescura da realidade" (dedicatória a Adolfo Bravo in Estrada, Lisboa, 1952). As experiências de nomadismo e de viagem de algumas narrativas evocam a ânsia de partilhar o trilho do homem simples que caminha ao nosso lado, perscrutando, nessa caminhada comum, o seu sofrimento e as suas alegrias.
Como referenciar: Manuel Mendes in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-04-23 05:04:24]. Disponível na Internet: