Margaret Mead

Antropóloga norte-americana, Margaret Mead nasceu em 1901, nos Estados Unidos, Filadélfia, e morreu em 1978, na cidade de Nova Iorque.
Margaret Mead começou a interessar-se desde muito cedo pelas questões relacionadas com o Homem. Em 1923, termina a sua licenciatura em Antropologia no Barnard College (Nova Iorque) e inicia uma pós-graduação na Universidade de Columbia. Dois anos mais tarde, realiza, durante nove meses, um trabalho de campo em Samoa (uma pequena ilha do sudoeste central do oceano Pacífico), ao longo do qual estuda as influências biológicas e culturais no comportamento dos adolescentes. Em 1928, publica o seu primeiro livro - Coming of age in Samoa -, que rapidamente se torna num enorme sucesso, e, um ano depois, obtém o seu doutoramento. Nos anos seguintes, volta a publicar relevantes estudos antropológicos - Growing up in New Guinea (1930), Sex and Temperament (1935) - nos quais defende o papel determinante da cultura na formação de valores e condutas sociais. Em 1936, realiza um novo trabalho de campo em Bali, uma ilha da Indonésia, na companhia do seu terceiro marido: o antropólogo Gregory Bateson. Durante esta estada, Margaret Mead e Gregory Bateson decidem investigar os hábitos e o carácter do povo de Bali, tirando cerca de 38 000 fotografias. O resultado das suas investigações deu origem a uma obra que foi publicada em 1941 sob o título Balinese Character: A Photographic Analysis e que é hoje considerada pioneira da Antropologia visual.
Margaret Mead tentou sempre aplicar à sociedade americana os conhecimentos que ia adquirindo em Antropologia, denunciando e levantando problemas pertinentes relacionados com a educação, a adolescência, a sexualidade, as condutas sociais, os direitos da mulher, a ecologia, entre outros. Para além das já citadas obras, Margaret Mead publicou diversas trabalhos de cariz mais interventivo e colaborou regularmente com revistas americanas. Paralelamente, ensinou antropologia na Universidade de Columbia e trabalhou como Conservadora de Etnologia no "American Museum of Natural History". Em 1969, foi distinguida pela revista "Time" e em 1979 recebeu, a título póstumo, a "Presidential medal to Freedom", a mais alta honraria concedida nos Estados Unidos da América.
Obras principais de Mead:
1928, Coming of Age in Samoa
1930, Growing up in New Guinea
1935, Sex and Temperament in Three Primitive Societes
1942, Balinese Character: A Photographic Analysis (coautoria Gregory Bateson)
1949, Male and Female
1964, Anthropology: A Human Science
1964, Continuities in Cultural Evolution
1970, Culture and Commitment
1971, A Rap and Race (Coautoria James Baldwin)
Como referenciar: Porto Editora – Margaret Mead na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-09-17 03:16:04]. Disponível em