Maria do Céu Guerra

Atriz portuguesa nascida em 1948, considerada um dos maiores vultos do teatro contemporâneo. Depois de ser ter estreado como atriz profissional na Casa da Comédia, e de ter participado em O Tartufo (1969), onde contracenou com Raul Solnado, Curado Ribeiro e Manuela Maria, esteve presente, em 1971, na fundação do Teatro Experimental de Cascais, um dos marcos do teatro independente português, onde participou em peças como Auto de Mofina Mendes (1973) de Gil Vicente e A Casa de Bernarda Alba (1974) de Federico Garcia Lorca. Depois de um curto período no teatro de revista, criou em 1975 o grupo A Barraca onde interpretou peças como D. João VI (1978) de Hélder Costa, Calamity Jane (1988), A Cantora Careca (1992) de Eugene Ionesco e O Avarento (1994) de Molière. Juntamente com A Barraca, fez digressões bem-sucedidas pelo Brasil, Colômbia e Venezuela. As suas incursões no cinema e na televisão foram escassas: estreou-se cinematograficamente com O Mal-Amado (1972), tendo participado também na Crónica dos Bons Malandros (1984) e no O Anjo da Guarda (1999). Na televisão, para além da peça O Pranto de Maria Parda (1998) de Gil Vicente, protagonizou a série cómica Residencial Tejo (1999-2002).
Como referenciar: Maria do Céu Guerra in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-10-21 23:43:48]. Disponível na Internet: