Mário Soares

Político português, Mário Alberto Nobre Lopes Soares nasceu em Lisboa a 7 de dezembro de 1924 e aí faleceu, a 7 de janeiro de 2017.

Oriundo de uma família com tradições políticas republicanas liberais, participou ativamente, desde a juventude, em atividades políticas contra o Estado Novo, o que lhe custou a passagem pelas prisões da polícia política e o exílio - primeiro em S. Tomé e depois em França, onde se encontrava aquando do 25 de abril de 1974.
Advogado, defendeu em tribunais plenários numerosos opositores do regime, tendo-se destacado como representante da família Delgado nas investigações sobre as circunstâncias e responsabilidades da morte do "General sem Medo". Oposicionista declarado, apresentou-se como candidato em atos eleitorais consentidos pelo regime, nunca sendo, no entanto, eleito.

Dirigente da Ação Socialista Portuguesa, foi um dos fundadores do Partido Socialista (1973), de que foi o primeiro secretário-geral. Após o levantamento dos capitães em 1974, regressou prontamente a Portugal e ocupou a pasta dos Negócios Estrangeiros, passando a ser responsável pelo estabelecimento de relações diplomáticas com diversos países do mundo e pelas negociações que levariam à independência das colónias portuguesas.

No plano da política interna, destaca-se principalmente pela oposição à influência política e social de comunistas e partidos de extrema-esquerda, combatendo não só o peso daqueles dentro das instituições militares e no aparelho de Estado, mas também a proposta de unicidade sindical.

Foi primeiro-ministro de três governos constitucionais, assumindo o poder sempre em situações de grande gravidade (instabilidade resultante do PREC, crise financeira e outras), governando, ora com o apoio exclusivo do seu partido ora em coligação, consoante a relação de forças estabelecida no Parlamento.

Foi o segundo presidente da República eleito democraticamente após o restabelecimento da democracia, cumprindo dois mandatos sucessivos entre 1986 e 1996, durante os quais se empenhou repetidamente, quer na dinamização das relações externas, quer na auscultação das aspirações e reclamações populares, através de "presidências abertas" que o levaram a percorrer praticamente todo o território nacional.

Homem controverso, as suas relações com correligionários e com outros políticos destacados (Francisco Sá Carneiro, António Ramalho Eanes, Salgado Zenha, Aníbal Cavaco Silva) foi por vezes tempestuosa ou, pelo menos, difícil; no entanto, conseguiu conservar grande capital de simpatia popular até ao fim do seu segundo mandato.

Aquando da sua primeira candidatura presidencial, renunciou à filiação partidária e, contrariamente a algumas expectativas, quando saiu de Belém não regressou às fileiras do partido em cuja fundação teve significativo papel. No seu discurso de despedida ao povo português, deixou claramente expresso o desejo de se afastar definitivamente da política ("política nunca mais") e de se dedicar a outras atividades, particularmente à escrita.

Em 1998 recebeu um convite da ONU para chefiar uma missão de informação à Argélia, reunindo várias personalidades escolhidas por Kofi Annan. O objetivo desta missão foi observar a situação vivida neste país através do contacto com organizações políticas, representantes de jornais e visitas a vários locais.

Enquanto Presidente da República reuniu em livros as dez intervenções, onde relata os principais discursos de 1987 até 1986. Para além das obras que publicou antes do 25 de abril, Mário Soares editou ainda Resposta Socialista para o Mundo em Crise (1983), Persistir (1984), A Árvore e a Floresta (1985). Recentemente lançou o livro Incursões Literárias (2003).

Em 1991, ano em que foi reeleito Presidente da República, nasceu a Fundação Mário Soares, da qual se tornou presidente. Esta Fundação tem como objetivos patrocinar projetos de investigação e publicação de estudos bem como a formação cívica e política. Os debates e as conferências de divulgação cultural, em especial dirigidas à juventude e aos trabalhadores imigrantes em Portugal, nomeadamente dos países africanos lusófonos, do Brasil, Macau e Timor-Leste são também o propósito da Fundação.

Contrariando a decisão de não voltar à política quando terminou o seu mandato como Presidente da República em 1996, Mário Soares decidiu candidatar-se novamente à presidência da República em 2005, para as eleições a realizar no início do ano seguinte, competindo com Aníbal Cavaco Silva, Manuel Alegre, Jerónimo de Sousa, Francisco Louçã e Garcia Pereira. O pretexto apresentado para a sua candidatura relacionava-se com a crise que se instalou no país e a sua intenção de poder fazer algo para melhorar a situação. Nas eleições realizadas a 22 de janeiro não saiu vencedor, tendo perdido para Aníbal Cavaco Silva, que ganhou com a maioria absoluta de 50,59% dos votos. Mário Soares ficou em terceiro lugar na percentagem de votos, com 14,34%, e em segundo lugar ficou Manuel Alegre com 20,72%.
Como referenciar: Mário Soares in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-08-21 22:01:26]. Disponível na Internet: