Maureen O'Hara

Maureen FitzSimons, de seu verdadeiro nome, nasceu a 17 de agosto de 1920 em Ranelagh, uma pequena localidade perto de Dublin. Aos 14 anos, começou a frequentar o curso de Drama na Abbey Theatre School. Em 1935, colaborou em algumas radionovelas antes de ter feito a sua estreia como atriz teatral com a companhia Abbey Players. Em 1938, partiu para Londres para tentar a sua profissionalização enquanto atriz. Conseguiu um pequeno papel no filme Kicking the Moon Around (1938), onde passou quase despercebida. A sua primeira prestação de relevo deu-se no ano seguinte, contracenando com Charles Laughton em Jamaica Inn (A Pousada da Jamaica, 1939) sob a direção de Alfred Hitchcock. Laughton reparou no seu potencial e levou-a consigo para Hollywood onde ambos trabalharam na adaptação cinematográfica do romance de Victor Hugo The Hunchback of Notre Dame (O Corcunda de Notre Dame, 1939), tendo deslumbrado no papel da cigana Esmeralda. O sucesso do filme levou os produtores de Hollywood a apostar nela para protagonizar grandes produções: foi dirigida por John Ford em How Green Was My Valley (O Vale Era Verde, 1941) e obteve críticas favoráveis pelo seu desempenho de Angharad Morgan, filha mais nova duma família de mineiros do País de Gales. Seguiu-se uma série de filmes de aventura que a consagrariam: The Black Swan (O Pirata Negro, 1942) onde fez par romântico com Tyrone Power; Buffalo Bill (1944); e Sinbad, the Sailor (As Aventuras de Sinbad, o Marinheiro, 1947). Participou também no clássico natalício: Miracle on the 34th Street (Da Ilusão Também se Vive, 1947), antes de ter sido convidada por John Ford para duas interpretações que se tornariam lendárias, ambas ao lado de John Wayne: Rio Grande (1950) e The Quiet Man (O Homem Tranquilo, 1952), tendo neste último título protagonizado, juntamente com Wayne, uma das cenas românticas mais famosas da História do Cinema. Na década de 60, O'Hara continuou a filmar, embora a um ritmo menos acelerado. Deste período destacam-se Our Man in Havana (O Nosso Agente em Havana, 1960), McLintock (MacLintock, o Magnífico, 1963) e The Rare Breed (1966). Após alguns trabalhos televisivos, anunciou, em 1973, que se retirava das lides artísticas. Dezoito anos depois, foi o realizador Chris Columbus quem a persuadiu a regressar com a comédia Only the Lonely (1991), no papel duma mãe super-protetora dum polícia de Chicago (John Candy).
Como referenciar: Porto Editora – Maureen O'Hara na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-12-01 16:14:04]. Disponível em