Michael Curtiz

Realizador húngaro, naturalizado norte-americano, de seu verdadeiro nome Mihaly Kertész Kaminer, nasceu na véspera de Natal de 1886, em Budapeste. Em 1906, diplomou-se na Escola de Artes Dramáticas de Budapeste, tendo-se tornado num razoável ator de teatro. Foi um dos pioneiros do cinema magiar ao assumir a realização de Az Utolsó Bohém (1912). Na Hungria dirigiu cerca de meia centena de filmes até ao final de 1918, altura em que viajou para França, Itália e Áustria, onde continuou a exercer a sua profissão. Em 1926, a qualidade dos seus filmes motivou-lhe um convite dos Estúdios Warner para se instalar em Hollywood. Aqui revelou uma inusitada adaptação a todos os géneros cinematográficos, trabalhando de forma profícua e adotando um nome mais "sonante". O seu primeiro filme em solo americano chamou-se The Third Degree (1927), tendo causado boa impressão entre os críticos devido ao seu inovador trabalho de câmara. Foi dos primeiros realizadores a fazerem filmes sonoros: Tenderloin (Noites de Nova Iorque, 1928) e a trabalhar com a fotografia a cor em Mammy (1930). Até 1961, realizara perto de 100 títulos, descobrindo novos talentos como Errol Flynn, Olivia de Havilland e Bette Davis. A arriscada aposta em Flynn no filme Captain Blood (Capitão Blood, 1935), revelou-se bem-sucedida em termos de bilheteira, tendo voltado a trabalhar com o ator em filmes de aventuras como The Charge of the Light Brigade (A Carga da Brigada Ligeira, 1936), The Adventures of Robin Hood (As Aventuras de Robin dos Bosques, 1938), Dodge City (Vida Nova, 1939) e The Sea Hawk (O Gavião dos Mares, 1940). James Cagney também beneficiou do talento do realizador em obras que se tornariam clássicos: Angels With Dirty Faces (Anjos de Cara Negra, 1938) e Yankee Doodle Dandy (Canção Triunfal, 1942). Mas o ponto mais alto da carreira de Curtiz foi, sem dúvida, o Óscar de Melhor Realizador obtido pelo filme Casablanca (1942), um melodrama que seria considerado unanimemente como um dos melhores filmes de sempre, apesar das peripécias que envolveram as filmagens, com constantes alterações ao guião. Na década de 50, a estrela de Curtiz desvaneceu um pouco. Ainda conseguiu impor êxitos como White Christmas (Natal Branco, 1954), The Egyptian (O Egípcio, 1954) e King Creole (O Rebelde Orgulhoso, 1958). Despediu-se com The Comancheros (Comancheros, 1961), um western com John Wayne e Lee Marvin. Minado pelo cancro, morreu em Hollywood a 10 de abril de 1962.
Como referenciar: Michael Curtiz in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-10-22 02:49:12]. Disponível na Internet: