Michael Schumacher

Corredor de automóveis nascido a 3 de janeiro de 1969, em Huerth-Hermuehlheim, na Alemanha. Michael Schumacher tem o perfil de um vencedor, que se caracteriza pela sua veloz condução e uma habilidade natural ao volante.
Rolf, o pai de Schumacher, construtor civil, apoiou-o sempre e levou o filho a estrear-se no karting. Em 1984, Michael Schumacher começou a participar no campeonato alemão de karting, vindo a conquistar o título logo no ano seguinte.
Em 1987 ganhou o título alemão de seniores, e em 1989 entrou no campeonato de alta competição Fórmula 3 alemã, onde alcançaria sucesso imediato. Em 1990 venceu novamente o título da F3 alemã, bem como o desafio Macau F3 Internacional. Mas foi a sua velocidade ao volante do SWC Mercedes-Benz que começou a chamar a atenção do público em geral. Ficou claro que Schumacher tinha um talento muito especial. Por isso, a equipa inglesa da Jordan convidou-o para pilotar um dos seus Fórmula 1 em 1991. Schumacher estreou-se no Grande Prémio da Bélgica, obtendo a quinta posição. De seguida, Schumacher começou a correr para a Benetton. Ganhou o seu primeiro Grande Prémio em 1992, sob chuva, em Spa, no momento em que completava um ano na Fórmula 1. Em 1993, ganhou no Estoril. Durante o ano de 1994, a equipa da Benetton esteve rodeada de muita controvérsia e Schumacher negou ter conhecimento de qualquer tipo de ação negativa ou menos clara na equipa. Afirmou, no entanto, que, se tais acusações se viessem a provar, ele procuraria outra equipa. Mesmo assim, renegociou os termos do seu contrato, durante o ano de 1995, até ao seu final, contrato esse que lhe garantiu 12 milhões de dólares.
Schumacher sabe que a manutenção da forma física é fator de primordial importância neste tipo de competições, razão por que lhe dedica extrema atenção. Se o treino ao volante lhe ocupa grande parte da vida, nada menos que três horas diárias, Schumacher não abdica da prática diária de uma hora de natação e duas horas de ginástica nas máquinas. Para além do desporto, a alimentação é também fundamental para um campeão, pelo que segue uma dieta rigorosa. Todos estes cuidados são essenciais para que possa estar em forma nas corridas.
O seu perfil de vencedor comprova-se pelos brilhantes resultados obtidos. Em 1994 ganhou pela primeira vez o Campeonato do Mundo de Fórmula 1, renovando o título em 1995, 2000 (no Grande Prémio do Japão), 2001 (no Grande Prémio da Hungria), 2002 (no Grande Prémio do Japão) e 2003 (no Grande Prémio do Japão). O ano de 2002 foi excecional para Schumacher, que bateu uma série de recordes. Terminou nesse ano todas as provas no pódio (entre o primeiro e o terceiro lugar), amealhou o maior número de pontos (144 em 170 possíveis), sagrou-se campeão a seis provas do final do campeonato e igualou o maior número de títulos da história da Fórmula 1, tal como Juan Manuel Fangio (5). A supremacia de Schumacher e da Ferrari em 2002 levantou mesmo a polémica acerca da falta de competitividade na Fórmula 1, com o consequente desinteresse do público e dos patrocinadores. Com a vitória nas épocas 2003 e 2004, Michael Schumacher acumulou 7 campeonatos do mundo (cinco dos quais consecutivos), tendo ultrapassado o número de títulos de Fangio. Em 2006, depois de vencer a prova do Grande Prémio de Itália, realizado em Monza, Schumacher anunciou a sua retirada da Fórmula 1 no final do Mundial desse ano.
O piloto alemão é também o recordista de vitórias em Grandes Prémios e é o piloto que realizou o maior número de voltas mais rápidas na F1.
A 5 de setembro de 2007 foi galardoado com o Prémio Princípe das Astúrias de Desporto.
Como referenciar: Michael Schumacher in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-06-04 03:37:27]. Disponível na Internet: