Miguel Portas

Dirigente político e jornalista, Miguel Portas nasceu em 1958, na freguesia de Alvalade, em Lisboa, onde viveu na sua juventude. Filho do arquiteto Nuno Portas e de Helena Sacadura Cabral, é irmão do também jornalista e dirigente político Paulo Portas.
Em 1973, entrou para a organização estudantil do Partido Comunista Português, a União de Estudantes Comunistas, e, logo nesse ano, foi detido pela PIDE com mais 150 jovens estudantes.
Miguel Portas licenciou-se em Economia, mas acabou por se dedicar ao jornalismo, atividade que iniciou em 1986 ao lançar a publicação cultural Contraste. Entretanto, começou uma colaboração no semanário Expresso. Paralelamente à carreira de jornalista, Miguel Portas também foi revisor de provas, funcionário público, animador cultural e agente de desenvolvimento no interior de Portugal.
Manteve-se no PCP até 1991. Depois foi assessor de Jorge Sampaio quando este era presidente da Câmara de Lisboa. Participou, em 1992, na criação da Plataforma de Esquerda e em 1994 fundou o grupo político Política XXI.
Em 1995, começou a preparar o lançamento do semanário de esquerda , do qual foi o único diretor. A publicação esteve nas bancas entre março e novembro de 1996.
Em 1998, colaborou no regresso da revista Vida Mundial, da qual foi colunista e repórter. Ainda em 1998, participou na série documental de televisão O Mar das Índias, realizada por Camilo Azevedo, que viria a receber o prémio Bordalo para melhor trabalho de TV de 2000.
A 28 de fevereiro de 1999, enquanto dirigente do Política XXI, foi um dos fundadores do partido Bloco de Esquerda (BE), que agregou também o PSR, de Francisco Louçã. Ainda nesse ano, foi o cabeça de lista do BE à eleições europeias, concorrendo contra nomes como Mário Soares (PS) e Leonor Beleza (PSD).
Nas eleições autárquicas de 2001, foi o cabeça de lista do BE (Bloco de Esquerda) em Lisboa, concorrendo contra o irmão Paulo Portas, do CDS-PP. Nas eleições legislativas do início do ano seguinte, foi eleito deputado como cabeça de lista do BE no Porto. Em 2004, nas eleições para o Parlamento Europeu, Miguel Portas foi o deputado eleito pelo Bloco de Esquerda.
Em setembro de 2002, Miguel Portas lançou o livro E o Resto É Paisagem, uma compilação de textos jornalísticos publicados entre 1998 e 2002.

Como referenciar: Porto Editora – Miguel Portas na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-09-18 15:53:52]. Disponível em