Mike Oldfield

Músico new age inglês, nasceu Michael Gordon Oldfield, a 15 de maio de 1953, em Reading. O seu pai, Raymond Oldfield, era músico amador, e a sua mãe, Maureen Oldfield, com problemas mentais, tinha sido em tempos enfermeira. Em 1966, a sua família mudou-se para Hornchurch, em Essex, onde Mike começou a frequentar um liceu que, depois de um conflito com o diretor devido ao comprimento do seu cabelo, acabaria por deixar em 1968. Antes disso, e aos 10 anos de idade, o pai ofereceu-lhe uma guitarra de seis cordas Eko e ensinou-lhe alguns acordes. Desse momento em diante, Mike, assim que regressava do liceu, retirava-se para o seu quarto, completamente imergido no seu novo instrumento. Com 12 anos de idade comprou uma guitarra elétrica, uma Futura II, e juntamente com a sua irmã, atuava em bares folk da sua cidade.
Mais tarde, e sob o nome de The Sallyangie, o duo acabou por gravar um álbum, Children of the Sun. Neste registo, os irmãos tocavam música folk e temas acústicos, que apesar de estarem na moda da época, não satisfaziam Mike plenamente. Decidiu então separar-se da irmã para seguir o seu próprio caminho.
Depois de um ano de difícil convivência com o seu pai e de um projeto falhado com o seu irmão, denominado Barefeet, fez uma audição e foi posteriormente convidado a ingressar na excêntrica Kevin Ayers Whole World Band. Mike sempre disposto a construir uma carreira em nome próprio, começou a fazer gravações e a enviá-las para todas as editoras. Recebeu um não de todas elas e foi Richard Branson, que na época tinha um negócio de venda de música por catálogo, que resolveu apostar em Oldfield para iniciar a sua editora, a Virgin Records. Se, por um lado, foi graças a Branson que Oldfield gravou o seu álbum, por outro lado, foi graças a esse álbum que a Virgin Records começou a ganhar forma, vindo a tornar-se uma das mais poderosas editoras.
Assim, Tubullar Bells foi gravado em 1972 e editado no ano seguinte. Um álbum instrumental, inovador, onde Mike toca mais de 20 instrumentos, cobrindo vários géneros musicais. Este registo rapidamente escalou as tabelas de vendas, chegando ao top 10 e por lá permanecendo durante 274 semanas. Proporcionou ainda a Mike Oldfield a possibilidade de ser o autor da banda sonora do filme O Exorcista.
No outono de 1974 surgiu Hergest Ridge, que veio destronar o seu antecessor. De facto, este disco veio confirmar a expectativas em seu redor e tornou-se um campeão de vendas.
Seguiu-se Ommadawn, em 1975, um disco com conotações de world music, e, em 1978, Incantations, um álbum que já introduzia algumas interpretações corais a cargo de Sally Oldfield, Maddy Prior e o Coro Feminino do Colégio Queen. Da digressão europeia resultou mais um álbum, Exposed.
No início dos anos 80 do século XX, Mike operou uma mudança na sua música, aproximando-se mais da música popular. Assim, Paltinum e QE2 são álbuns com pequenas faixas instrumentais e algumas interpretações de temas contemporâneos.
Mais tarde, Mike Oldfield viraria as suas atenções para a composição, escrevendo para vários artistas.
No entanto, esta era uma época de alguma fricção entre o artista e a Virgin. A editora insistia que o próximo álbum instrumental teria que se designar Tubullar Bells 2, enquanto que Oldfield defendia que o próximo álbum se chamaria Amarok.
E assim, de facto, Amarok foi editado. Um álbum recheado de rebeldia por parte do artista. Continha uma hora de música com mudanças bastante rápidas e unidas (não permitindo a desunião dos temas para o vulgar lançamento de singles), com imprevisíveis impactos sonoros e uma mensagem subliminar em código morse insultando Richard Branson. Este álbum, apesar de ser por muitos considerado o seu maior trabalho, não teve grande êxito comercial.
O seu último trabalho com a Virgin foi Heaven's Open, que deu continuidade aos ataques a Branson, mas tornou-se um registo famoso, pois contou pela primeira vez com o contributo vocal do próprio artista.
Já com uma nova editora, Warner, Mike Oldfield editou, finalmente, Tubullar Bells 2 e também The Songs of Distant Earth, álbuns com uma nova sonoridade, um estilo new age requintado. Mais tarde, surgiu Tubullar Bells 3 composto a partir da música de dança, típica da zona da sua nova residência, Ibiza.
Em 2003 foi reeditado o seu álbum de estreia, sob o nome Tubullar Bells 2003. Surgiu a necessidade de corrigir algumas imperfeições resultantes das limitações tecnológicas, assim como do pouco tempo de estúdio disponível. Tinham passado 30 anos desde primeira edição e, ao mesmo tempo, Mike celebrava 50 anos de idade.
No mesmo ano, e rendendo-se às novas tecnologias, adicionou ao seu repertório Music VR, um projeto que combina a sua música com um jogo de computador baseado em realidade virtual.
Como referenciar: Mike Oldfield in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-09-22 21:19:24]. Disponível na Internet: