moda (vestuário)

Moda é o termo utilizado para designar o estilo de vestuário que predomina em determinada época ou período de tempo. As mudanças de estilo são normalmente impostas pelos estilistas e costureiros que, assim, acabam por influenciar os gostos do público ou dos clientes. Com o passar do tempo, as alterações propostas pelas casas de vestuário passaram a ocorrer com cada vez maior frequência.
A moda surgiu da necessidade das pessoas se sentirem bem com o seu corpo, principalmente as mulheres, que desde sempre procuram formas de tornar o corpo mais belo. Por exemplo, já no tempo dos romanos as mulheres usavam uma faixa que comprimia a cintura e sustentava o peito. Posteriormente, na Idade Média, foi criado o espartilho, a primeira peça feita com o propósito específico de apertar a cintura. Apesar de bastante incómodo, o seu uso perdurou durante séculos. Em finais do século XIX surgiu, em Inglaterra, o soutien, uma armação de arame com duas copas em tecido transparente. Mas esta nova peça não conseguiu nos primeiros anos destronar o espartilho. Foi já no início do século XX que uma empresa alemã, a Triumph, vulgarizou o uso do soutien e ao mesmo tempo das cintas.
Entretanto, Paris foi desde o século XIV o centro mundial da moda, devido à presença na cidade de muitas fábricas de tecidos e de lojas de artigos relacionados com vestuário. Para promover as suas peças, os fabricantes de roupas enviavam para as mulheres das cortes e classes altas da Europa bonecas com os seus vestidos. Este método de divulgação persistiu até ao século XIX, mas contou desde o século XVII com a concorrência das primeiras publicações de moda, antecessoras das revistas.
Entretanto, no século XVIII surgiu a primeira costureira com nome, Rose Bertin, que trabalhou para a rainha francesa Maria Antonieta.
A indústria da moda tal como é conhecida hoje foi criada em meados do século XIX pelo inglês Charles Frederick Worth, que trabalhava para a imperatriz Josefina em França. Worth, que sobreviveu à queda de Napoleão em 1870, criou a primeira casa de moda de Paris, com shows, manequins, pessoal de vendas e costureiras. A seguir a Worth vários nomes ditaram a moda a partir de Paris, como foram os casos de Jacques Doucet, Madame Paquin, Madame Cheruit, as irmãs Callot, Paul Poiret e Coco Chanel, que se impôs na década de 20 do século XX.
Durante a Segunda Guerra Mundial, os alemães permitiram que Paris continuasse a ser o centro da moda, muito graças à influência do costureiro Lucien Lelong.
Apesar do crescimento da influência dos norte-americanos no Mundo no pós-guerra, Paris manteve a sua posição dominante na moda. Uma das inovações apresentadas pelos franceses foi o biquíni, que apareceu em 1946 por iniciativa do estilista Louis Renard. Apesar de ter sido considerado muito provocador devido às suas dimensões reduzidas acabou por se impor em todo o mundo.
A década de 60 ficou marcada pelo aparecimento do pronto-a-vestir, em detrimento das casas que se dedicavam a fazer vestidos exclusivos para as clientes com mais posses. O pronto-a-vestir permitiu às marcas levar os seus produtos a diversos pontos do globo. Foi nesta época que países como a Itália, Inglaterra e Estados Unidos da América começaram também a ser influentes no mundo da moda, passando a ser acompanhados pelo Japão a partir dos anos 80.
A Inglaterra, através da estilista Mary Quant, destacou-se a partir da 1965 com a introdução da minissaia.
Entretanto, a alta-costura perdeu quase definitivamente a sua importância e hoje em dia promove produtos de pronto-a-vestir, acessórios e perfumes das marcas.
Como referenciar: moda (vestuário) in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-09-28 04:14:28]. Disponível na Internet: