modelado cársico

Muitas áreas do mundo apresentam paisagens que em grandes extensões foram traçadas pelo poder dissolvente da água subterrânea. Tais áreas são conhecidas por mostrarem um modelado cársico ou cárstico. O termo cársico deriva do nome de uma região planáltica localizada ao longo da costa do Mar Adriático, numa área entre a Eslovénia e a Itália. Essa região caracterizada por este tipo de modelado denomina-se Karst.

Os locais mais adequados para apresentarem um modelado cársico são áreas onde os calcários estão presentes próximo da superfície por baixo de uma camada de solo.
As águas pluviais, com quantidades apreciáveis de dióxido de carbono, dissolvem os calcários, ao longo de fendas existentes ou de quaisquer outras aberturas onde se infiltram e circulam, conseguindo alargá-las. Este alargamento contribui para a circulação subterrânea, o que intensifica o processo de dissolução e consequente erosão dos maciços calcários, esculpindo aspetos particulares da sua morfologia superficial e subterrânea.

Um dos primeiros aspetos a considerar como consequência deste processo é o carácter pobre da cobertura vegetal, atendendo a que a maior parte da água se infiltra em profundidade, não permitindo a formação de um solo favorável ao desenvolvimento de plantas.

A rocha calcária está quase sempre retalhada na superfície por uma rede de sulcos. Estas formas denominam-se lapiases e podem apresentar estádios de evolução diferentemente avançados.

Preenchendo os sulcos que separam os lapiases ou no seu fundo, encontra-se geralmente um depósito argiloso, denominado terra rossa, constituída geralmente por areia muito fina e óxidos de ferro. Estes componentes existem geralmente nos calcários e constituem uma fração residual depois da sua dissolução.

É também característica do modelado cársico a existência de cavidades mais ou menos circulares, as dolinas, com diâmetro entre a dezena e a centena de metros. As paredes são rochosas e em geral abruptas, com uma profundidade de um a dois metros até um máximo de 50 metros.

As dolinas podem formar-se gradualmente durante muitos anos sem uma alteração física significativa da rocha. Nesta situação, o calcário situado imediatamente abaixo do solo é dissolvido pela infiltração da água da chuva que vai sendo carregada com dióxido de carbono. Estas dolinas são, em geral, depressões pouco profundas e são caracterizadas pelo fraco declive das paredes.

Por outro lado, uma dolina pode formar-se devido ao abatimento do teto de uma caverna em virtude do seu próprio peso. Tipicamente, as dolinas formadas desta maneira são profundas e com paredes abruptas.

Quando duas ou mais dolinas, ao alargarem, se ligam umas às outras, constitui-se uma uvala. Nas regiões cársicas, os fundos da terra rossa das dolinas e uvalas são o único solo arável.

São também frequentes, nos maciços calcários, os algares, poços profundos, por vezes com mais de uma centena de metros, que permitem colocar a superfície do solo em contacto com toda uma complexa rede de grutas e galerias, espaços com tetos em forma de abóbada, característicos do erodido interior dos maciços calcários.

Os poljes são planícies cársicas com razoável extensão, rebaixadas no interior do maciço calcário de origem não inteiramente conhecida, mas em que, muitas vezes, a tectónica tem papel preponderante. Estas depressões, geralmente com o fundo coberto por solo arável, apresentam geralmente vertentes abruptas. Podem encontrar-se com o fundo coberto de água, quando na estação pluviosa o nível das águas subterrâneas é superior ao nível do fundo do polje, formando-se um lago temporário.
Como referenciar: modelado cársico in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-04-07 23:22:33]. Disponível na Internet: