modo de vida urbano

Não é estranho para a Sociologia, desde os seus primórdios, o discurso acerca das alterações relacionais que se operam no seio das sociedades complexas, identificáveis com os meios urbano-industriais.

É nesse sentido que, por exemplo, Durkheim, Tönnies ou Simmel nos referem, numa lógica já afirmada de visão dicotómica do mundo, as diferenças entre sociedades simples e sociedades complexas, ou que Wirth nos refere, em linha congénere, um modo de vida tipicamente urbano, com as implicações que esse modo de vida tem nas vidas daqueles que, como os migrantes, trocam espaços simples por espaços complexos, em termos de família, de casamento, de fecundidade, de trabalho ou de quaisquer outros aspetos.

Para ele, esse modo de vida urbana assenta, fundamentalmente, em três fatores: o volume, a densidade e a heterogeneidade da população urbana. O volume condiciona a capacidade de relacionamento entre os indivíduos e patrocina mesmo o seu anonimato, tornando as relações sociais superficiais:

"O aumento do número de habitantes de uma comunidade além de algumas centenas impõe limites à possibilidade de os seus membros conhecerem pessoalmente todos os outros." (Wirth). Os conhecimentos que se processam são, por outro lado, fortemente marcados por relações sociais secundárias, segmentadas de acordo com os múltiplos papéis que cada indivíduo pode exercer neste tipo de sociedade. A densidade conduz à "diferenciação e especialização, pois só desta forma pode a área comportar qualquer aumento" (Wirth) e, bem assim, a pressão que ela impõe conduz à existência de uma forte diferenciação entre as pessoas e os grupos sociais. E, finalmente, a heterogeneidade que se constitui como o elemento facilitador do relacionamento entre indivíduos, permitindo, pelo esbater de fronteiras diferenciadoras, a homogeneização de posições sociais (Wirth).

Estas teses foram construídas e durante muito tempo exerceram uma certa dominância - ainda que hoje não tenham perdido a sua validade, pelo menos parcial - nomeadamente em termos teóricos, como guias hipotéticos para trabalhos empíricos. Mas a observação de determinadas práticas em meio urbano, como seja o caso dos processos de socialização, não permite atestar de todo esta visão de uma sociedade que se constitui à parte de outras formas de organização societária.
Como referenciar: Porto Editora – modo de vida urbano na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-10-20 21:32:20]. Disponível em