montanhas oceânicas

Pintalgando os fundos oceânicos, encontram-se picos vulcânicos isolados denominados montanhas oceânicas que podem ter milhares de metros acima do nível do fundo oceânico. Apesar de se encontrarem espalhados, o maior número encontra-se no oceano Pacífico. Alguns como a cadeia de montanhas Imperador estende-se desde as ilhas Hawai até à fossa das Aleútas, associada com a atividade vulcânica de pontos quentes. Outros formaram-se próximo das dorsais oceânicas e zona das placas tectónicas divergentes onde a litosfera se afasta. Se um vulcão se forma, a estrutura deste emerge como uma ilha. Os exemplos, no Atlântico, incluem as ilhas dos Açores, Ascensão, Tristão da Cunha e Sta. Helena.
Durante o tempo que existem como ilhas, alguns destes vulcões são erodidos, até à altura do nível do mar, pela ação das marés e das ondas. Depois de alguns milhões de anos as ilhas gradualmente submergem em virtude do movimento lento das placas as terem retirado da dorsal oceânica ou dos pontos quentes que as originaram.
Como referenciar: montanhas oceânicas in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-11-30 05:19:54]. Disponível na Internet: