Mosteiro de Refojos de Basto

O documento mais antigo que fala do Mosteiro de Refojos de Basto, situado em Cabeceiras de Basto, data do primeiro quartel do século XII (1122). Até essa altura, a sua história é baseada em tradições. Depois de viverem toda uma série de vicissitudes, os mosteiros beneditinos portugueses estavam reduzidos a 26 no ano de 1628 e necessitavam de reformas urgentes, como era o caso deste. Aqui, a opção foi arrasar para construir de raiz.
Estas obras de reconstrução, iniciadas no século XVII, só viriam a ser finalizadas nos finais do século XVIII. Com a extinção das ordens religiosas em 1834, as casas conventuais foram abandonadas e a sua igreja convertida em paroquial. As invasões francesas e a atitude anticlerical dos Liberais acabaram por retirar muitas obras de arte que enriqueciam esta igreja.
A frontaria do mosteiro é ritmada por três corpos divididos por largos cunhais. Nos corpos laterais desenvolvem-se as imponentes torres sineiras, rematadas por elevados coruchéus. Inferiormente, no eixo vertical das torres, abrem-se dois nichos que protegem as estátuas de S. Bento e Santa Escolástica. O corpo central é marcado por portal de linhas volumosas. Enquadram a porta pilastras muito largas, dispostas em ressaltos e, obliquamente, rematadas por frontão curvo interrompido. Encima o portal varandim seguido pelo grandioso nicho que abriga a imagem de S. Miguel, enquadrado por duas grandes janelas de sacada. O entablamento da fachada, fortemente marcado, é interrompido por um óculo e sustenta elegante frontão ondeado. A igreja é coroada por elegante zimbório de oito faces, abertas por janelas, encimado por lanternim. Coroando o zimbório está uma grande estátua de S. Miguel. No correr das suas paredes aparecem doze estátuas retratando papas e bispos beneditinos.
O interior da igreja, de planta em cruz latina, mostra-se pleno de luminosidade, devido ao zimbório erguido sobre o topo do cruzeiro. Este templo reúne um grande núcleo de obras do escultor beneditino frei José de Santo António Vilaça, que contribuem para a sua profusa decoração barroca de Setecentos, invadindo retábulos, púlpitos, órgãos, coro e seu cadeiral.
A contrastar com a triunfal estética barroca da igreja estão as dependências conventuais, marcadas pela sobriedade da sua construção. Destaque para o claustro, que se desenvolve, no piso térreo, em quatro galerias de arcos plenos, apoiados em colunas dóricas.
Como referenciar: Mosteiro de Refojos de Basto in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-06-26 21:31:22]. Disponível na Internet: