Muro de Adriano

Ocupada a Bretanha (no século I d. C.), logo sentiram os Romanos o carácter aguerrido e belicoso dos Pictos e Escotos do Norte da ilha. Na sua política de consolidação e defesa das fronteiras, o Imperador Adriano visitou a ilha em 122 e mandou construir um muro fortificado desde Solnay até à foz do rio Tyne.
Com 120 km de comprimento, esta enorme obra foi concluída em 126 pelos próprios soldados, que construíam e combatiam simultaneamente. Cada "centúria" era obrigada a construir a sua parte do muro. Este tem uma fundação de terra ladeada por um fosso de 4 m de profundidade. Sobre a terra, levantaram, assim, um muro em pedra, maciço, com 4,5 m de altura e 2,5 m de largura. Sobre ele seguia uma estrada de 1 m de largo, no sentido de facilitar as comunicações e os transportes. Regularmente estava pontilhada de torres e fortins, onde se encontravam sentinelas. Ao longo do muro erguiam-se 17 fortalezas, o que completava o sistema de fortificação fronteiriça do Norte da Britannia. A muralha foi classificada Património Mundial pela UNESCO em 1987.
Como referenciar: Muro de Adriano in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-10-24 00:55:20]. Disponível na Internet: