Nuno Mateus e José Mateus

Nuno Mateus (1961-) e José Mateus (1963-) , ambos nascidos em Castelo Branco, representam em Portugal um projeto de raiz internacional criado em 1991, chamado ARX (diminutivo de Architexture), que se estende desde Nova Iorque até Kobe no Japão.
O seu trabalho resulta de numerosas influências, entre as quais Peter Eisenman, com o qual Nuno Mateus colaborou durante algum tempo, e Daniel Liebskind, herdando através deles parte do registo arquitetónico que lhes é característico: uma certa tendência para o desconstrutivismo, visível na forma dos volumes que compõem os seus projetos, aos quais adicionam uma linguagem constituída por um numero restrito de materiais, que remete para exemplos da arquitetura de Álvaro Siza Vieira.
Entre os seus projetos encontram-se a organização da exposição que ocupou o Pavilhão do Conhecimento dos Mares (da autoria de Carrilho da Graça), durante o período da Expo' 98, e a ampliação e remodelação do Museu Marítimo de Ílhavo (1997-1998). Este último, resultante da atribuição do primeiro prémio do concurso efetuado para o efeito, é bastante demonstrativo do tipo de arquitetura efetuada por esta dupla: assume-se uma postura que parte da avaliação da estrutura preexistente (de pouco significado), optando-se por integrar esta naquela que constitui verdadeiramente a intervenção. Assim, a nova construção nasce como um corpo ortogonal (vestígio da antiga edificação) que recebe o visitante, ao qual se anexam uma série de corpos que, pela diversidade de planos, sugerem uma tensão que é retomada no interior do mesmo.
Como referenciar: Nuno Mateus e José Mateus in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-12-01 15:44:30]. Disponível na Internet: