O Algar do Mouro

Diz a lenda que, entre Minde e Fonte da Serra, havia um palácio encantado numa caverna, onde vivia um velho mouro e a sua formosa sobrinha.

Um dia, uma mulher do povo surpreendeu a moura a limpar o seu tesouro. Assaltada por um desejo irresistível, decidiu vigiá-la com o intuito de mais tarde a roubar.
Dias depois, viu o mouro e a sobrinha à porta da caverna. Aproximou-se cuidadosamente para ouvir a conversa dos dois. O tio não concordava em deixar partir a sua sobrinha para uma visita a umas primas. Temia morrer de repente e queria revelar-lhe o paradeiro de todos os seus tesouros escondidos; mas depois de tanto a sobrinha insistir, deixou-a partir com a sua aia.

Apercebendo-se de que o mouro ficava sozinho, a mulher voltou no dia seguinte, com o seu marido, e atacou o velho. Sem coragem para continuar naquela caverna escura, decidiu voltar mais tarde para levar o tesouro. No entanto, quando lá chegou no dia seguinte, não encontrou qualquer preciosidade: a moura tinha voltado e escondido a riqueza do seu tio noutro sítio.

No local onde tudo se passou, ainda existe um algar com uns degraus cavados na rocha.
Como referenciar: O Algar do Mouro in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2018. [consult. 2018-10-22 02:47:41]. Disponível na Internet: