O Consultório

Integrado no volume "Teatro de Novos", que, coligindo O Consultório de Augusto Sobral e O Pescador à Linha, de Jaime Salazar Sampaio, compreende o texto das peças representadas no segundo espetáculo da série "Teatro de Novos para Novos", estreado a 2 de junho de 1961, no Teatro Nacional D. Maria II. Na sala de espera do consultório de um psiquiatra, preenchem o tempo com conversas banais um senhor alucinado que acredita que o filho morto ainda está vivo, a esposa que tenta alimentar essa crença, um rapaz com os pulsos ligados (supostamente por ter caído de um cavalo, mas que, na verdade, tentara suicidar-se) e a empregada do consultório. Por sub-reptícia sugestão da senhora e vendo que o senhor é incapaz de aceitar a ideia da morte do filho, o rapaz, a pouco e pouco, entra no jogo de fingir que é o filho do senhor, representando a encenação do reencontro do filho com os pais. Confirmando todos as ações que são atribuídas ao filho morto, o rapaz acaba por ficar preso no jogo, todos, a dado momento, confundindo a verdade e a mentira. Realizadas as curas do senhor que vê confirmada a convicção de que o filho está vivo e do rapaz que aspirava à comunhão com o outro, fica no ar uma perturbante moralidade, pela qual qualquer um pode entrar na pele de outro, vender "gato por lebre".
Como referenciar: O Consultório in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-08 05:58:00]. Disponível na Internet: