O Exorcista

Clássico dos filmes de terror, assinado por William Friedkin, em 1973, com Ellen Burstyn, Jason Miller, Max Von Sydow e Linda Blair nos papéis principais. É considerado por muitos críticos como o mais reputado dos filmes do seu género, cuja temática, relacionada com a possessão demoníaca de uma rapariga de 12 anos, causou choque entre as plateias mundiais. Contudo, tal não impediu o seu sucesso junto do público e da crítica, tendo recebido 10 nomeações para os Óscares, tendo vencido em duas categorias: Melhor Argumento Adaptado e Som. O filme foi extremamente controverso: para além das cenas de exorcismo, blasfémias e automutilações, o argumento baseia-se no best-seller de William Peter Blatty, que por sua vez se baseou num caso verídico verificado em 1949 em que um jovem adolescente americano fora submetido a um exorcismo que durou dois meses. Numa primeira parte do filme, acompanhamos uma escavação arqueológica em Nínive, no Irão, dirigida pelo padre jesuíta Lankester Merrin (Max Von Sydow). No seu decorrer, é encontrada uma estatueta do demónio Pazuzu. Merrin tem a premonição que o espírito do demónio fora liberto. Num segundo momento, o filme centra a história em Washington onde a recém-divorciada atriz de sucesso Chris MacNeil (Ellen Burstyn) vive com a sua filha Regan (Linda Blair). Contudo, Regan é acometida de uma insólita doença e começa a revelar estranhos sintomas: aparecimento de chagas, vómitos, espasmos, levitação e uma força física fora do normal. Depois de todos os esforços médicos se revelarem infrutíferos, Chris procura o apoio espiritual do padre Karras (Jason Miller), ele próprio atormentado por estar a perder a sua fé. O espetro demoníaco começa a manifestar-se violentamente e a apoderar-se do corpo e do espírito da jovem Regan. Karras consciencializa-se de que está a enfrentar uma força superior à sua e solicita o apoio de Merrin para fazerem um violento exorcismo cujas consequências serão trágicas. O Exorcista cometeu a proeza de ter sido o primeiro filme de terror a ser nomeado para o Óscar de Melhor Filme. Para a história, ficam algumas cenas marcantes: a volta de 360 graus da cabeça de Regan, as automutilações com um crucifixo, os vómitos verdes e a voz demoníaca de Pazuzu (gravada pela atriz Mercedes McCambridge). Ao filme original, seguiram-se duas sequelas com qualidade inferior: uma em 1977, protagonizada por Richard Burton e a derradeira em 1990, com George C. Scott. Em 2000, surgiu uma nova versão do filme original com mais 11 minutos de cenas inéditas e totalmente digitalizado.
Como referenciar: O Exorcista in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-08-23 23:25:05]. Disponível na Internet: