O Homem Elefante

Baseado numa história verídica, este filme realizado por David Lynch em 1980 relata a história de John Merrick (John Hurt), um inglês da época oitocentista afetado por uma doença congénita, a neurofibromatose múltipla, que se traduz numa cabeça com enormes proporções, desfigurando-o por completo e obrigando-o a andar em público com um saco a cobrir a cabeça. Exibido numa feira de horrores, é alcunhado de "Homem Elefante" por Bytes (Freddie Jones), dono da feira, que alega ao público que um elefante atacou a mãe de Merrick durante a sua gravidez. Em 1884, o jovem médico Frederick Treves (Anthony Hopkins) demonstra interesse científico por Merrick e livra-o das garras do dono, colocando-o num hospital onde inicia uma série de pesquisas. As enfermeiras, a princípio, atemorizam-se, mas aos poucos descobrem que Merrick é um ser humano dotado de uma enorme sensibilidade e cultura. Contudo, a privacidade de Merrick no hospital é quase nula e até o porteiro (Michael Elphick) vende bilhetes aos restantes doentes para estes irem visitar a suposta aberração da Natureza. Uma noite, Merrick é raptado por Bytes para ser exibido na província. Consegue escapar e volta a Londres, para retomar o tratamento às mãos de Treves. Contudo, a sua doença revela-se incurável, optando Merrick por suicidar-se. Este foi o segundo filme realizado por David Lynch que se apresentou ao público com o grotesco Eraserhead (1978), filme que agradou a Mel Brooks, que detinha os direitos da adaptação cinematográfica da vida de John Merrick. O filme foi rodado inteiramente a preto a branco, aproveitando ao máximo o sóbrio trabalho de fotografia de Freddie Francis, que ilustrou maravilhosamente o ambiente sombrio da Inglaterra vitoriana. A grande tónica de qualidade patenteada pelo filme residiu também nas excelentes interpretações do elenco. John Hurt (nomeado para o Óscar de Melhor Ator) foi inexcedível na sua composição de um ser humano que luta pela restituição da dignidade perdida, levando os espectadores a sentirem compaixão pelo seu ser disforme. Anthony Hopkins assinou também uma irrepreensível interpretação no papel de um médico dilacerado pela dúvida de estar a ajudar Merrick por pena ou por pretensão em alcançar notoriedade entre a comunidade médica. Em papéis secundários, encontrámos atores veteranos como John Gielgud, Wendy Hiller e Anne Bancroft que conferem sobriedade ao filme. De salientar o extraordinário trabalho de caracterização feito por Christopher Tucker, penalizado pelo facto de o Óscar para a categoria de Melhor Maquilhagem só ter sido criado pela Academia em 1984. Nomeado para seis Óscares (entre os quais o de Melhor Filme, Realizador e Ator), o filme acabou por não vencer nenhum galardão.
Como referenciar: O Homem Elefante in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-06-27 02:54:34]. Disponível na Internet: