Oliveira Marreca

Político e economista português, António de Oliveira Marreca nasceu a 26 de março de 1805, em Santarém, e morreu a 9 de março de 1889, em Lisboa. Liberal da primeira geração romântica, fez parte do núcleo de exilados em Inglaterra, de onde regressou em 1834. Participou na Revolução de setembro, integrando o exército liberal, e foi nomeado administrador da Imprensa Nacional em 1835. Em 1846, fez parte da Junta Revolucionária de Lisboa. Constituído o Instituto Industrial de Lisboa, em 1852, foi nomeado lente de economia política. Em 1870, assumiu a presidência do primeiro diretório do recém-formado Partido Republicano, participando na redação do seu programa. Colaborou em vários periódicos de economia e política (como a Revolução de setembro, a Revista Económica e o Jornal Universal), mas também nos jornais literários Jornal Mensal da Educação - onde o vemos defender, num artigo de 1835 sobre a "Educação das mulheres", a estreita relação entre a literatura, "a moral, os costumes, a felicidade pública e individual, a glória e o progresso das instituições constitucionais" -, Jornal da Sociedade dos Amigos das Letras e O Panorama, do qual foi um dos fundadores e onde inseriu as suas narrativas históricas Manuel de Sousa Sepúlveda (1843) e O Conde Soberano de Castela (1844-1853). Destacou-se, no entanto, pelos seus estudos económicos e políticos (salientando-se a obra da sua autoria Noções Elementares de Economia Política, de 1838, espécie de súmula dos artigos sobre o mesmo assunto disseminados pela imprensa).
Como referenciar: Oliveira Marreca in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-09-22 11:53:53]. Disponível na Internet: