Oliver Reed

Ator inglês, Robert Oliver Reed nasceu a 13 de fevereiro de 1938, no bairro londrino de Wimbledon. Ainda em adolescente, adotou uma atitude de rebeldia perante a autoridade paternal, tendo fugido várias vezes de casa. Aos 17 anos, abandonou os estudos e empregou-se como segurança num night-club. O facto de ser sobrinho do realizador Carol Reed franqueou-lhe as portas de entrada para o mundo do cinema onde fez a primeira incursão em 1955 como figurante na comédia Value For Money (1955). Fez figuração em cerca de uma dezena de filmes até 1960, ano em que foi contratado pela Hammer Films para trabalhar sobretudo em filmes de terror e de aventura. O primeiro dos seus filmes na Hammer foi Sword of Sherwood Forest (Robin dos Bosques, o Invencível, 1960) de Terence Fisher onde desempenhou um pequeno papel. Foi Fisher quem lhe deu a oportunidade de protagonizar um título, neste caso The Curse of the Werewolf (A Maldição do Lobisomem, 1961), que se tornou um filme de culto, especialmente entre o público adolescente. Cedo Reed granjeou a aura de ator boémio e conflituoso. Em 1963, após uma briga num pub de Londres, foi suturado com 36 pontos na face. Paralelamente, começou a interpretar filmes de maior qualidade: trabalhou sob as ordens de Joseph Losey em These Are the Damned (1963), contracenou com Orson Welles em I'll Never Forget What's His Name (1967) e foi dirigido pelo seu tio no musical Oliver! (1968), desempenhando a brutal personagem de Bill Sykes, papel que lhe abriu as portas de Hollywood. Teve um excelente desempenho em Women in Love (Mulheres Apaixonadas, 1969) cuja cena em que lutava nu com Alan Bates entrou para a história do cinema. Mais tarde numa entrevista, confessou que rodara essa cena sobre a influência de uma garrafa de vodka. Aliás, o alcoolismo era a grande imagem de marca de Oliver Reed. Em 1971, na sequência de uma aposta, ficou num bar durante 24 horas, tendo bebido nesse período cerca de uma centena de canecas de cerveja. Não obstante, foi, durante a década de 70, um dos atores mais requisitados para trabalhar em Hollywood. Em The Devils (Os Diabos, 1971) de Ken Russell, arrancou uma das mais enérgicas interpretações da sua carreira. Outro dos seus títulos mais célebres foi The Three Musketeers (Os Três Mosqueteiros, 1974) onde interpretou a figura do mosqueteiro Athos, mas a exigência do realizador Richard Lester em utilizar espadas verdadeiras nas rodagens quase foi fatal para o ator: na filmagem de uma cena de duelo, foi atingido na garganta e esteve às portas da morte. Brilhou na rock-opera Tommy (1975), mas as décadas de 80 e de 90 assistiram à sua participação em filmes incaracterísticos como Venom (Veneno, 1982), Gor (1988) e Funny Bones (1995), cujos fracassos comerciais abalaram a sua carreira. Ridley Scott convenceu-o a aceitar o papel de Proximo, líder de uma escola de gladiadores em Gladiator (Gladiador, 2000). Foi a mais poderosa interpretação de sempre de Reed mas, infelizmente, veio a ser também a sua última. Num intervalo das rodagens na ilha de Malta, após ter bebido três garrafas de rum e de ter vencido cinco marinheiros num braço de ferro, sentiu fortes dores no peito. Um fulminante enfarte de miocárdio fez com que chegasse ao hospital já morto, obrigando Ridley Scott a gastar perto de três milhões de dólares para a recriação em computador da sua face para as cenas que faltavam.
Como referenciar: Porto Editora – Oliver Reed na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-10-19 19:46:41]. Disponível em