Olivier Rolin

Escritor e jornalista francês, nasceu a 17 de maio de 1947, em Boulogne, na França.
Na sua juventude participou ativamente nos movimentos de esquerda que contestaram fortemente o poder em França nos finais dos anos 60 e início da década de 70. Olivier Rolin participou, nomeadamente, no maio de 68, tendo estado durante sete anos ligado aos movimentos clandestinos de esquerda que contestavam o regime.
Em 1983, já com 36 anos e com carreira no jornalismo, deu os primeiros passos na literatura, ao lançar o romance Phénomène Futur. Em 1993 foi pela primeira vez editada uma obra de Olivier Rolin em Portugal, A Invenção do Mundo, no mesmo ano em que lançou Port-Soudan (Porto Sudão), editado em Portugal no ano seguinte, que lhe valeu o prémio Femina.
Posteriormente, chegaram a Portugal obras suas como Cerco a Cartum, Mon galurin gris (O Meu Chapéu Cinzento) e Paysages originels (Paisagens Originais).
Em 2003 Olivier Rolin lançou Tigre en papier (Tigre de Papel), um romance com muitas características autobiográficas, onde recordou os seus tempos passados no período revolucionário que ficou associado à designação maio 68. O livro ganhou nesse ano o Prémio France Culture.
Paralelamente à carreira de escritor, prosseguiu a de jornalista, trabalhando como grande repórter para publicações francesas como o jornal Libération e a revista Nouvel Observateur. Olivier Rolin escreveu uma série de reportagens no Afeganistão, após a guerra que afastou os Taliban do poder em 2002. Ao mesmo tempo encetou contactos com intelectuais e escritores afegãos, de modo a ajudá-los a sair do isolamento a que estavam votados. Rolin desempenha ainda as funções de editor na editora francesa Seuil.
Como referenciar: Olivier Rolin in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-09 16:12:51]. Disponível na Internet: