Orlando Neves

Poeta, ficcionista, autor dramático, cronista, crítico e autor de literatura infantil nascido a 13 de setembro de 1935, em Portalegre, e falecido a 24 de janeiro de 2005, Matosinhos. Licenciado em Direito pela Universidade de Lisboa, desenvolveu a atividade de tradutor (tradução de obras de Caldéron de la Barca, Tirso de Molina, Giraudoux, Gogol, Gorki, Hugo, Marivaux, entre outros), esteve ligado à rádio, à televisão e ao jornalismo e dirigiu a revista Sol XXI (1992). Tendo-se fixado, no início da sua carreira literária, no texto dramático, com a publicação, em 1966, de A Execução, uma coletânea de oito peças (A Execução, O Frigorífico, O Velho, O Acidente, Traição, Verdade, O Adubo e A Revolta das Mulheres), género que continuou a cultivar mas na forma de teatro infantil, a sua escrita tem privilegiado, desde os anos oitenta, a poesia e a ficção. Compreendendo a poesia, no seu duplo legado romântico e moderno, como "relâmpago do tempo entre o pôr e tirar a máscara", "sopro entre a ocultação e a revelação" (cf. Órganon para a Decifração da Poesia, poemensaio, Carcavelos, 1993), a obra poética de Orlando Neves recria numa linguagem disciplinada e rigorosa, por vezes subtilmente irónica, discursos e mitos bíblicos e clássicos.
Como referenciar: Orlando Neves in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-09-16 16:07:14]. Disponível na Internet: