Ornitorrinquídeos

Família de mamíferos, da ordem dos monotrématos, constituída por uma única espécie, Ornithorhynchus anatinus, o ornitorrinco, com distribuição exclusivamente na Tasmânia e Austrália. O seu comprimento total varia entre os 40 e os 60 centímetros dos quais entre 10 e 15 centímetros correspondem à cauda. O seu peso varia entre os 0,5 e 2 quilogramas.
O aspeto achatado do corpo dos ornitorrincos é completado com uma cabeça provida de um bico grande, com lâminas córneas no bordo em vez de dentes e de olhos pequenos com membrana.
A pelagem, densa, apresenta poucos pelos compridos, sendo escura no dorso e amarelada ou acinzentada nas partes inferiores. A cauda é idêntica à dos castores. As patas são largas e terminam em cinco dedos com membranas e garras. Não tem pavilhões auditivos. Enquanto jovens, possuem um esporão nas patas posteriores que comunica com uma glândula secretora de veneno. Na fêmea adulta o esporão degenera, mas mantém-se no macho. Alimenta-se à base de crustáceos, moluscos, vermes, rãs, pequenos peixes e larvas de insetos aquáticos.
A época do acasalamento ocorre geralmente entre julho e agosto. São animais ovíparos e a fêmea põe de um a três ovos (normalmente dois), cuja incubação demora 10 dias. Ao nascerem, os pequenos ornitorrincos medem cerca de 2,5 centímetros, são cegos e estão nus. Aos quatro meses, com um comprimento de cerca de 30 centímetros, abandonam pela primeira vez a toca onde nasceram.
Os ornitorrincos jovens apresentam verdadeiros dentes calcificados que não existem nos adultos.
Admite-se que, para facilitar a mastigação dos alimentos, costumam apanhar um pouco de areia conjuntamente com os alimentos.
Como referenciar: Ornitorrinquídeos in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-07-10 11:01:23]. Disponível na Internet: