Pablo Casals

Violoncelista e compositor espanhol nascido a 31 de dezembro de 1876, em Vendrell, Catalunha. O seu pai, Charles, organista na igreja, iniciou-o no piano e canto. Com 5 anos de idade já cantava no coro da igreja. Ao mesmo tempo, aprendia outros instrumentos, tais como a flauta e o violino, que passou a ser a sua grande paixão. Uma vez que era motivo de chacota por parte dos seus amigos na escola por tocar violino com os olhos fechados, vê-se na obrigação de procurar um outro instrumento. Após a atuação de uma banda na sua terra natal, descobre o violoncelo. Aos 13 anos encontra, numa loja de antiguidades em Barcelona, uma edição com "Sechs Solosuiten für Violincello" de Johann Sebastian Bach. Os 12 anos que se seguiram, passou-os a estudar Bach. Até que, em 1901, se atreveu a tocar publicamente uma destas seis peças para violoncelo. A música correspondia à sua perceção do Mundo e temia dar a conhecer em cada concerto demasiados pensamentos e sentimentos íntimos. Só a sua veneração pela música permitiu que deixasse gravar os mesmos concertos.
A sua atitude perante a vida era sem compromisso, intransigente e incorruptível: em 1938 exilou-se no Sul de França, num claro protesto contra a ditadura de Franco. Durante a ocupação nazi em França, negou-se a tocar perante Hitler, atitude que lhe custou uma prisão domiciliária, que se prolongou durante anos. Uma vez terminado o domínio nazi, Casals interrompeu uma já iniciada série de concertos, de forma a mostrar a sua indignação com a ditadura espanhola.
Em 1950 regressa aos palcos, mas devido a uma única razão: a celebração dos 200 anos da morte de J. S. Bach. Na cidade de Prades, no Sul de França, Casals reuniu músicos de todo o Mundo, fundando um festival que ficaria com o seu nome.
Repartiu a sua vida pela batuta (como maestro) e pelo violoncelo. Com a sua orquestra (Orquestra Pau Casals), tocou desde 1928 por toda a Espanha. Os rendimentos da sua carreira internacional financiavam este projeto. Mas Casals queria que todos tivessem acesso à sua música, e assim, mediante o pagamento de seis pesetas por ano, cada pessoa podia-se inscrever na Associació Obrera de Concerts e ter acesso a todos os concertos da orquestra. Quando, em 1937, teve lugar o último concerto, estavam já inscritas 300 mil pessoas.
Passou os seus últimos anos de vida com a sua esposa Marta (59 anos mais nova), na terra natal de sua mãe, Porto Rico. Aqui também deixou um enorme legado: um outro festival com o seu nome, um conservatório e uma orquestra que ele próprio dirigiu várias vezes.
Em setembro de 1973 sofreu um enfarte, vindo a falecer dias mais tarde, a 22 de outubro. O funeral foi no Puerto Rico Memorial Cemetery, uma vez que o maestro sempre se recusou a regressar a Espanha enquanto Franco estivesse no poder. Anos mais tarde, em 1979, o seu corpo foi trasladado para Vendrell.
Como referenciar: Porto Editora – Pablo Casals na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-12-03 17:15:22]. Disponível em