palavra

A noção de palavra corresponde tradicionalmente a uma entidade limitada ortograficamente por espaços em branco, que é estudada pelas gramáticas segundo categorias morfo-sintáticas (verbos, substantivos, adjetivos, etc), que é inventariada e definida nos dicionários e cuja evolução histórica (nos planos fonético e semântico) é reconstituída pela etimologia e pela história da língua.
Contudo, a definição de palavra coloca bastantes problemas: <águas-furtadas> é uma ou são duas palavras? <fui>, <sou>, <era> são a mesma palavra ou são palavras diferentes? Mas se a palavra escrita coloca já alguns problemas, a palavra na oralidade é ainda mais difícil de ser definida devido aos fenómenos de elisão, ligação e coarticulação (influência fonética dos sons vizinhos).
Assim, não existe apenas um conceito de palavra, mas sim várias aceções de palavra em linguística que é preciso reter:
1. palavra (em ortografia): unidade gráfica delimitada por espaços em branco na escrita; as palavras ortográficas possuem uma identidade gráfica, resultante de uma convenção, que as distingue umas das outras mesmo que sejam homógrafas: ex: conselho e concelho.

2. palavra (em fonologia): unidade delimitada por critérios fonológicos e prosódicos, isto é, o que torna uma palavra fonologicamente autónoma é a presença de um acento principal e unificador, a indivisibilidade na sua produção e segmentação, a sua transcrição fonológica, entre outros critérios. Assim, unidades como <diz-se>, <à-vontade>, <pernalta> constituem apenas uma palavra fonológica, enquanto que segmentos de palavras que na escrita são apenas uma unidade constituem duas palavras fonologicamente, por possuírem dois acentos fonológicos distintos - <ternamente>, <passatempo>. Também os homógrafos <sede> - /e/ e <sede> /È/ constituem palavras fonologicamente distintas, devido à diferença de timbre das vogais da sílaba tónica.

3. palavra (em morfologia): neste sentido devemos falar em formas da mesma palavra, uma vez que operações como a flexão não fazem mais do que apresentar variações da mesma palavra em género e número, para o caso dos substantivos, adjetivos e alguns determinantes e pronomes (ex: possessivos, demonstrativos, indefinidos), e em modo/tempo/pessoa/número, para o caso dos verbos. Assim compreende-se que formas de palavras com radicais tão distintos como <sou>/ <era>/ <fui>/ <seja> sejam formas flexionais do mesmo verbo <ser>, embora estas diferenças tão profundas no étimo do radical tenham subjacentes explicações de natureza histórica. A derivação pode ser também um processo de variação da mesma palavra: gato, gatinho, gatão, gatarrão.

4. palavra ou lexema (em lexicografia): unidade abstrata que encerra um significado específico e que reúne o conjunto das formas possíveis pelo processo morfológico da flexão. É a palavra tal como ela surge inventariada nos dicionários, com informação semântica e morfológica.

5. palavra (em morfo-sintaxe): especificação da categoria gramatical ("Eu canto" [verbo] e "o canto da cigarra" [nome]) ou de uma propriedade morfológica de um lexema ("um atlas" [Singular], "dois atlas" [Plural]).

A forma, a natureza e a composição das palavras é portanto muito complexa, pelo que a utilização deste termo deve ter em conta as cinco aceções apresentadas em benefício do alto nível de imprecisão deste termo.
Como referenciar: palavra in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-08-17 18:51:39]. Disponível na Internet: