Pedro

Personagem da obra A Estrela de Vergílio Ferreira. Pedro protagonizou uma história que o distinguiu dos restantes habitantes da aldeia, onde vivia. "Um dia à meia-noite, ele viu-a. Era a estrela mais gira do céu" e desejou-a para si. Não sabia bem para quê, mas "gostava de a ter". Com sete anos, Pedro, miúdo ágil, decidido, e persistente, concretizou o seu sonho e roubou a estrela. A indiferença dos outros perante a estrela permitiu que só muito mais tarde dessem pela falta dela e foi um velho contador de histórias que alertou os habitantes da aldeia, pois, tal como Pedro, "gostava às vezes de se pôr a olhar as estrelas". Quando os pais de Pedro descobrem que foi ele o autor do roubo, o pai decidiu que deveria ser ele a ir colocá-la no sítio de onde a tirara. Obediente, Pedro cumpriu o que o pai lhe ordenara. Mas "ou fosse o 'ah!' das pessoas que assistiam que o assustou", ou "porque não fincou bem os pés no varão de ferro", Pedro escorregou, caiu nas pedras do adro da igreja e morreu. Simbólica, a estrela desejada por Pedro consubstancia a força da fé numa personagem que, pelo sonho, vive num mundo acima do mundo terreno. Ao mesmo tempo, no Portugal salazarista, Pedro representará, então, os que ousavam sonhar com um país diferente e luminoso e que tinham a coragem de lutar por um ideal, mesmo se a ousadia fosse paga com a própria vida. Ao mesmo tempo, Pedro representa o conflito entre a ingenuidade da infância e o pragmatismo dos adultos.
Como referenciar: Pedro in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-09-22 11:53:07]. Disponível na Internet: