Peter Arnett

Jornalista norte-americano nascido em 1934. Aos 28 anos foi trabalhar para a agência noticiosa norte-americana Associated Press. Um dos seus primeiros grandes trabalhos noticiosos foi a cobertura da guerra do Vietname. Graças ao seu trabalho sobre este conflito Arnett ganhou, em 1966, o Prémio Pulitzer, o mais importante galardão do jornalismo a nível mundial. O jornalista, que ao longo da sua carreira viria a destacar-se como correspondente de guerra, acompanhou o conflito do Vietname até à queda de Saigão em 1975.
Ainda ao serviço da Associated Press, Arnett cobriu acontecimentos como a crise dos reféns americanos no Irão e o massacre de Jonestown, na Guiana.
Em 1981, deixou a Associated Press e passou para o jornalismo televisivo. Ingressou na altura na CNN, canal noticioso norte-americano difundido em todo o mundo que estava no seu lançamento. Entre 1986 e 1988, Arnett chefiou a delegação da CNN em Moscovo, tendo feito diversas reportagens sobre as mudanças então em curso na União Soviética. No início de 1990, o jornalista foi trabalhar para a delegação de Jerusalém da CNN para acompanhar a situação no Médio Oriente. Assim, pôde acompanhar a Guerra do Golfo, em 1991, tendo trabalhado a partir de Bagdade, no Iraque. Após a partida de vários colegas, acabou por ser o único jornalista ocidental a ficar em Bagdade. Conseguiu ser o único jornalista a entrevistar o presidente iraquiano, Saddam Hussein, durante a guerra.
Em 1998, preparou um programa sobre a utilização de gás Sarin por parte de tropas norte-americanas numa aldeia de Laos em 1970. Após uma investigação ficou provado que a notícia não era verdadeira. O jornalista acabou por ser repreendido pela CNN e deixou de aparecer na televisão. Mais tarde, em abril de 1999, deixou o canal, onde esteve 18 anos.
Em março de 2003, voltou a Bagdade, desta vez para cobrir a Guerra do Iraque para o programa National Geographic Explorer, da NBC. Mas quando os jornalistas da NBC saíram da capital iraquiana, este canal passou a utilizar Arnett como correspondente. No entanto, o jornalista deu uma entrevista a um canal de televisão iraquiano onde fez críticas aos planos de guerra dos Estados Unidos da América e acabou por ser despedido. Mais tarde pediu desculpa pelo seu erro.
Como referenciar: Peter Arnett in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-02-23 03:05:42]. Disponível na Internet: