piroga

Com um longo percurso desde a Pré-História aos nossos dias, a piroga é um tipo de embarcação rústica cuja utilização está hoje restringida às populações indígenas que ainda mantêm esta tradição em vários pontos do globo, como as ilhas do Pacífico, nomeadamente na Polinésia, ou rios e lagos de África, América do Sul e Caraíbas.
Numa perspetiva da evolução dos transportes marítimos e fluviais, a piroga surge logo a seguir ao tronco de árvore e à jangada rudimentar. Escavada a partir de um tronco de árvore ou improvisada a partir de uma casca de eucalipto australiano, arrancada num só bloco, a piroga foi progressivamente aperfeiçoada pelos seus utentes. A sua instabilidade inicial foi compensada por alguns povos, como os Malgaxes de Madagáscar, os Balineses e os Polinésios, que lhe acoplaram um ou dois balancins com flutuadores. Os Polinésios chegaram mesmo, numa fase posterior, a unir duas pirogas, em que uma estabilizava a outra, nascendo assim o catamaran. A propulsão é feita por remos, tanto nas pirogas simples como nas mais elaboradas, embora para percursos mais longos ou de maior estabilidade seja utilizada uma vela de tela, ráfia ou junco.
Como referenciar: Porto Editora – piroga na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-10-28 12:45:14]. Disponível em