Planisfério de Cantino

Obra de cartógrafo português não identificado, talvez do grupo de cartógrafos oficiais de D. Manuel I, foi executado em Lisboa, em 1502, por encomenda clandestina de Alberto Cantino, espião do duque de Ferrara, Ercole d'Este. Consiste num conjunto de folhas de pergaminho com 220 cm de largura por 105 cm de altura e revela um conhecimento atualizado dos descobrimentos feitos na época. É uma cartografia de aproximadamente 275º da esfera da Terra, sendo nele registados pela primeira vez o continente americano e as latitudes, estas últimas sobretudo nas zonas de conhecimento dos navegadores portugueses. Notabiliza-se pela primazia na demarcação do litoral brasileiro e também por registar os descobrimentos de Cristóvão Colombo, Vasco da Gama e Pedro Álvares Cabral, além de reivindicar para Gaspar Corte Real o achado da Terra Nova. Nas demais foram empregues ainda os cálculos por estimativa dos portulanos, apresentando igualmente algumas coordenadas em árabe.
A quarta viagem ao Brasil, efetuada por Fernão de Noronha, originou novos dados que foram posteriormente apensos ao mapa, que continha já elementos bastante precisos relativos aos continentes africanos e americano. Entre estes encontravam-se as rotas comerciais, as mercadorias relevantes neles comerciadas e indicações relativas à geografia e topografia.
Impressiona ainda a magnificência e a perfeição da iluminura. Paralelamente, e caracterizando a época e os seus costumes e tendências, encontram-se iluminuras referentes a criaturas imaginárias: o que não era conhecido fantasiava-se.
Como referenciar: Planisfério de Cantino in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-04-09 17:03:03]. Disponível na Internet: