polissíndeto

Ao contrário do assíndeto, o polissíndeto é uma figura de construção que consiste na repetição sistemática e abundante de elementos de ligação, especialmente de conjunções coordenadas. O polissíndeto produz um efeito de acumulação, que pode evoluir no sentido de uma gradação, visando obter um crescendo de intensidade emotiva ou argumentativa. Seguem-se exemplos do polissíndeto:

"(...)
Ca em mia senhor nunca Deus pôs mal, Mais pôs i prêz e beldad'e loor
E falar mui bem, e rir melhor
Que outra molher; (...)"
(Dom Dinis, "Quer'eu em maneira de proençal", in A Lírica Galego-Portuguesa - textos escolhidos, 1985, Lisboa: Ed. Comunicação)

"(...)Mas julgais que n'isto se resume a literatura portuguesa? Não! Mil vezes não! Temos além disto, o Chianca que já fez rimas p'ra Aljubarrota que deixou de ser a derrota dos castelhanos p'ra ser a derrota do Chianca!
E as pinoquices de Vasco Mendonça Alves passadas no tempo da avozinha! E as infelicidades de Ramada Curto! E o talento insólito de Urbano Rodrigues! E as gaitadas do Brun! E as traduções só p'ra homem do Ilustríssimo Excelentíssimo Senhor Melo Barreto! E o Frei Mata Nunes Moxo! E a Inês sifilítica do Faustino! E as imbecilidades de Sousa Costa! E mais pedantices do Dantas! (...)"
(Almada Negreiros, Manifesto Anti-Dantas, Lisboa, Edições Ática, p.13 - ortografia atualizada)
Como referenciar: polissíndeto in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-06-17 03:33:04]. Disponível na Internet: