Proterozoico (éon)

O éon Proterozoico é o último dos éons que precederam o éon Fanerozoico e, por conseguinte, o período Câmbrico. O éon Proterozoico abarca dois milhões de anos, aproximadamente metade da história da Terra, desde -2,6 até -0,57 milhares de milhões de anos. O termo Proterozoico tem raiz grega que significa "principio de vida". Este éon foi dominado por organismos unicelulares.
Antes de cerca de dois milhões de anos, as ilhas e microcontinentes estariam espalhados por todo o globo e separados por bacias oceânicas. Estas pequenas peças da crosta continental formaram-se nos éons anteriores ao Proterozoico. Então, há cerca de dois milhões de anos, o movimento das placas tectónicas juntou as diversas peças num único grande continente denominado Pangeia I. Depois de formado o Pangeia I, este separou-se em fragmentos que migraram através da Terra, acabando por se unir e formar o segundo supercontinente, chamado Pangeia II, há cerca de um milhão de anos, também no Proterozoico. O Pangeia II começou a separar-se há cerca de 500 ou 600 milhões de anos, próximo do fim do éon Proterozoico.
As rochas proterozoicas apresentam fósseis de algas, bactérias e fungos unicelulares.
Estes animais não possuíam conchas nem esqueletos. Consequentemente, os fósseis consistem em impressões dos seus corpos moles em argilitos. A preservação de tão delicados resíduos requer um meio pouco agressivo. Em geral, os frágeis corpos eram consumidos por seres necrófagos, e não eram destruídos nos processos de sedimentação.
Muito pouco oxigénio existia na primitiva atmosfera proterozoica. Inicialmente, os organismos evoluíram para realizar fotossíntese, combinando dióxido de carbono e água na presença da luz solar para formar glicose e oxigénio. A glicose era utilizada como alimento e o oxigénio era libertado na atmosfera. Os primeiros organismos evoluíram e multiplicaram-se, e o excesso de oxigénio lentamente acumulado mudou a composição da atmosfera.
Como referenciar: Porto Editora – Proterozoico (éon) na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-06-16 18:53:46]. Disponível em