Questão da Boémia

A Boémia é uma região histórica da Europa Central, que no seu passado áureo era um reino que ocupava cerca de dois terços do atual território da República Checa, e mantinha relações fronteiriças com a Polónia, a Morávia, a Áustria e a Alemanha.
O seu nome teve origem num povo celta, Boii, que ocupou esta região, até ser expulso por uma tribo germânica no século I a. C. Entre o último quartel do século XV e o primeiro do século seguinte (1471-1526) a Boémia foi governada por uma linha de reis húngaros, até que, em 1526, Ferdinando I, sagrado imperador romano dos Habsburgos, foi proclamado rei da Hungria e da Boémia.
O período da Reforma (1517-1648) religiosa foi muito severo para com os protestantes da Boémia, pois os católicos Habsburgos eram pouco tolerantes com outro credo que não o seu. Neste clima de tensão rebentou a Guerra dos Trinta Anos (1618-1648). Em 1620 os católicos tiveram uma grande vitória na batalha de Montanha Branca. Os Habsburgos, de novo no poder, reprimiram fortemente os protestantes, suprimiram os privilégios nacionais e impuseram a língua germânica.
José II (1765-1790), na segunda metade do século XVIII, avivou os sentimentos nacionalistas do povo da Boémia. Este, em 1848, revoltou-se, e embora tenha sido severamente punido, prosseguiu com a luta. O declínio do Império austro-húngaro depois da I Guerra Mundial e a instituição da Checoslováquia em 1918 fizeram da Boémia uma província da República Checa, tornada independente em 1993.
Como referenciar: Porto Editora – Questão da Boémia na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-09-23 23:32:10]. Disponível em