Quinta do Viso

Solar nortenho localizado na área da Circunvalação, integrando o concelho de Matosinhos, a Quinta do Viso foi uma obra concebida pelo arquiteto italiano Nicolau Nasoni. A empreitada decorreu num período compreendido entre 1746 e 1758.
Infelizmente, no século XIX, esta casa senhorial sofreu uma grande reconstrução que lhe alterou substancialmente o seu perfil barroco original.
O proprietário inicial deste monumento civil foi um fidalgo denominado D. Jerónimo Leite Pereira Pinto Guedes do Lago, membro da Casa Real portuguesa, cujo brasão heráldico, colocado na parte superior do portal do muro da quinta, ostenta ainda as armas da sua mulher, a irmã da morgada de Ramalde.
Posteriormente, a Quinta do Viso serviu como infantário local e presentemente, as suas instalações são ocupadas por serviços administrativos do ministério da agricultura e parte da sua propriedade serve como campo experimental de diversas produções agrícolas.
A Quinta do Viso é rodeada por um muro protetor, estrutura que conserva grande parte dos seus elementos originais do barroco setecentista nasoniano. Esta robusta construção é suavizada pelas cantarias de linhas curvas e suaves. O portal da entrada apresenta formas simples, encimado por saliente frontão triangular, interrompido ao centro pelo brasão heráldico do seu primeiro proprietário, moldurado por concheado curvo e encimado por coroa aberta. Lateralmente foram colocados dois pináculos sobre pedestais. A parte superior do muro desenha uma movimentada composição de aletas, sob as quais foram rasgadas duas janelas retangulares e gradeadas.
A casa senhorial foi completamente refeita no século XIX, não apresentando o esplendor do barroco triunfante de Setecentos. Esta nova construção é mais contida, desenha uma planta retangular e a sua fachada nobre é dividida em dois pisos ritmados por janelas retas, sendo as superiores de verga ressaltada e moldurada. Axialmente, abre-se o portal da entrada, sobre o qual está uma varanda com balaustrada em pedra, possuindo uma porta de linhas retas e frontão triangular. A cimalha apresenta beiral saliente, ao centro do qual se desenha uma estrutura alteada, de perfil semi-circular.
A propriedade solarenga é valorizada pelo jardim verdejante, combinado com o vigoroso trabalho plástico das composições de pedra de Nicolau Nasoni, materializadas no belo chafariz barroco, nos obeliscos e nas estátuas alegóricas.
A composição do chafariz possui, ao centro, uma quimera ladeada por meios-corpos de leões. Diversas estátuas povoam os jardins envolventes, notando-se a figura de um menino com um leão, de uma mulher com um golfinho e o grupo das quatro estátuas alusivas às diversas estações do ano.
Como referenciar: Porto Editora – Quinta do Viso na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-09-25 14:20:09]. Disponível em