radar

A palavra radar é constituída pelas iniciais da expressão inglesa radio detection and ranging (deteção e localização por rádio).
O radar constitui um sistema baseado na captação e deteção de parte da energia eletromagnética devolvida por um objeto ao intercetar uma emissão procedente da antena do sistema.
Foi Heinrich Hertz o primeiro a demonstrar que as ondas eletromagnéticas podiam refletir-se em objetos metálicos, que, assim, geravam ecos radioelétricos. Contudo a investigação deste fenómeno só voltaria a ser continuada com os trabalhos de Guglielmo Marconi em 1922 e P. David que observou variações no sinal detetado pelos recetores à passagem de barcos ou veículos. O primeiro aparelho de radar foi construído em 1934 por uma equipe de técnicos chefiada pelo físico escocês Robert Alexander Watson Watt.
Os aparelhos de radar desempenharam um papel muito importante durante a Segunda Guerra Mundial na defesa da Inglaterra.
O equipamento de um radar é constituído por: um emissor de frequência muito elevada (ondas decimétricas, centimétricas e inclusivamente milimétricas, que devem ser mais curtas do que as dimensões do objeto que se pretende localizar); um modulador de alto rendimento; e um recetor que capta a parte refletida pelo obstáculo. O primeiro e o último destes componentes encontram-se normalmente vinculados a uma mesma antena.
Embora a deteção do obstáculo seja importante, a sua localização (determinação das suas coordenadas) e reconhecimento revestem-se de grande importância.
Existem três tipos principais de radar: os de modulação por impulsos, que são os mais largamente utilizados e funcionam emitindo um impulso de 1 ms (micro segundo) de duração, seguido de um período de silêncio de 99 ms, para observação dos ecos, os quais são recebidos em antenas de vários tipos; os de onda contínua, que utilizam ondas permanentes e recolhem os ecos em antenas direcionais separadas alguns metros entre si; e os de frequência modelada, ou radares de frequência deslizante, que se utilizam como radioaltímetros.
Existe ainda um outro tipo de radar, o radar de vigilância, que é utilizado em portos e aeroportos para comandar o tráfego marítimo e aéreo, sempre que as condições de visibilidade são deficientes. Este tipo de radar baseia-se na utilização de uma antena giratória, sincronizada com o ângulo de varredura, a qual permite obter no ecrã manchas luminosas, cuja distância ao centro do referido ecrã é proporcional à que separa, realmente, o obstáculo do navio ou avião.
Como referenciar: radar in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-04-09 18:43:10]. Disponível na Internet: