Recesvinto

Recesvinto, rei visigodo (653-672), filho e sucessor de Chindasvinto, associado ao trono desde 20 de janeiro de 649, deu, a partir de 653, continuidade à política de seu pai. Dominou a revolta de Froyea e seus aliados da Aquitânia. Convocou os Concílios VIII (653), IX (655) e X (656) de Toledo. No VIII Concílio, que reuniu bispos e altos dignatários palatinos, iniciado a 16 de dezembro, foram tomadas importantes decisões acerca da sucessão real, estabelecendo-se que à morte do soberano o seu sucessor seria eleito pelos bispos e magnates de imediato reunidos. A integração de godos e hispano-romanos foi promovida por legislação comum, permitindo-se o matrimónio entre si. Em 654 promulgou o designado Liber Iudicum, compilação de leis antigas do Código de Leovigildo, de Recaredo e de Sisebuto e sobretudo de leis novas, de Chindasvinto e suas mesmo, que constituiu um novo código legal de uso exclusivo e de características marcadamente nacionais. O código havia começado a ser preparado no tempo de Chindasvinto, sendo a fase final de redação da obra de Bráulio de Saragoça. Morreu de morte natural, em Gertigos, perto de Valladolid, a 1 de setembro de 672.
Como referenciar: Recesvinto in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-15 03:06:54]. Disponível na Internet: