resultado líquido

Os resultados líquidos, ou resultado líquido do exercício, de acordo com a terminologia contabilística, são um resultado de natureza financeira que traduz a performance económico-financeira de uma determinada empresa ou entidade durante um determinado período de tempo. Esse período de tempo corresponde normalmente a um ano, findo o qual uma das principais tarefas da contabilidade de uma empresa é precisamente o cálculo do resultado líquido do exercício. Esse cálculo é o resultado de um processo multifaseado que se inicia com a identificação de todos os custos e proveitos imputáveis à empresa no período em causa. Tanto os custos como os proveitos têm naturezas diversas, podendo existir custos ou proveitos operacionais, financeiros e extraordinários.
Dentro dos custos operacionais, temos as rubricas de custo das mercadorias vendidas e matérias consumidas, os fornecimentos e serviços externos (subcontratos, eletricidade, combustíveis, comunicação, seguros, etc.), os impostos de carácter operacional, os custos com pessoal (remunerações, encargos com remunerações, seguros de acidentes de trabalho, etc.), outros custos operacionais (onde são registados custos operacionais não enquadráveis nas rubricas anteriores), amortizações do exercício (custos genericamente associados à depreciação ao longo do tempo dos elementos do ativo imobilizado) e provisões do exercício (com vista à prevenção de eventuais encargos ou perdas futuras).
A nível dos proveitos operacionais temos as rubricas de vendas (designadamente de mercadorias e produtos), as prestações de serviços, os proveitos suplementares (não diretamente ligados à atividade principal da empresa), os subsídios à exploração, os trabalhos para a própria empresa e outros proveitos operacionais não enquadráveis nas anteriores. A diferença entre os proveitos operacionais e os custos operacionais designa-se habitualmente por resultados operacionais, sendo também estes um indicador importante para a avaliação da performance das empresas.
Dentro dos custos e perdas financeiras são registados encargos suportados pela empresa no período em causa que possuem natureza financeira, como sejam os juros suportados, diferenças de câmbio desfavoráveis, descontos de pronto pagamento concedidos, etc. Do lado dos proveitos e ganhos financeiros temos rubricas como que opostas, ou seja, juros obtidos, diferenças de câmbio favoráveis, descontos de pronto pagamento obtidos, etc. A diferença entre os proveitos e os custos financeiro designa-se por resultados financeiros.
A soma dos resultados operacionais e financeiros, que concorrem para o cálculo do resultado líquido do exercício, denomina-se resultados correntes, no sentido em que resultam da atividade corrente da empresa.
As empresas podem ainda suportar custos e perdas extraordinários, assim denominados devido à sua imprevisibilidade, ou obter proveitos e ganhos extraordinários, que partilham a mesma característica, resultando da diferença entre os segundos e os primeiros os denominados resultados extraordinários.
O resultado líquido do exercício corresponde à soma dos resultados operacionais, financeiros e extraordinários obtidos por uma empresa num determinado período, deduzida da previsão de Imposto sobre o rendimento (ex.: IRC) a entregar ao Estado e que se assume no fundo como um custo adicional.
O valor do resultado líquido de uma empresa é desde logo um indicador importante para a análise económica e financeira, nomeadamente quando analisado em termos relativos e evolutivos. Paralelamente, é utilizado para o cálculo de rácios de rendibilidade importantes, como a rendibilidade líquida das vendas, dos capitais próprios ou do ativo da empresa.
Como referenciar: resultado líquido in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-10-01 05:44:34]. Disponível na Internet: