Ricardo Tacuchian

Compositor, maestro, professor universitário brasileiro, Ricardo Tacuchian, nasceu a 18 de novembro de 1939, no Rio de Janeiro (Brasil).
Descendente de uma família da Arménia que imigrou para o Brasil, Ricardo Tacuchian, sob a influência paterna, iniciou os estudos musicais com Nelly Adelino dos Santos e aos 9 anos de idade começou a compor. Aos 12 anos, entrou para a Escola Nacional de Música da Universidade do Brasil, estudando com Harley Helbert, Florêncio de Almeida Lima, José Siqueira, Cláudio Santoro, Virgínia Salgado Fiúza, o grande compositor Francisco Mignone, entre outros. Aí obteve os diplomas de Piano, em 1963, e graduou-se, em 1965, em Direção de Orquestra. Terminou a sua pós-graduação em Direção em 1967, e em Composição e Orquestração em 1968, na mesma Escola de Música que entretanto adquiriu o nome de Escola de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro (E.M.U.F.R.J.). A sua primeira apresentação em público, como compositor, foi em 1963, com a peça Imagem Carioca, para orquestra de cordas.
Tacuchian, um dos fundadores do conjunto Ars Contemporânea, criado em 1971, foi o primeiro regente do grupo musical, que executou imensas primeiras audições mundiais de compositores brasileiros do século XX, tendo composto várias obras para o grupo. Nessa altura, dirigiu também o grupo Síntese, especializado em música medieval e renascentista. Em 1985, dirigiu, no Rio de Janeiro, o maior grupo instrumental da história da música brasileira, que possuía dois mil elementos e que executou música tradicional e popular brasileira. Ainda nos anos 80, Tacuchian desenvolveu o "Sistema - T", um sistema de controle de alturas que permite trabalhar a música entre o ambiente tonal e atonal. Esta conceção de sistema-T, ligada ao conceito de pós-modernidade, são dois dos cuidados essenciais na apresentação das obras do compositor.
Em 1981, foi eleito membro da Academia Brasileira de Música, instituição cultural e honorífica fundada pelo famoso Heitor Villa-Lobos, tendo ocupado o cargo de presidente de 1993 a 1997. Obteve uma bolsa para estudar nos EUA, entre 1987 e 1990, onde obteve o doutoramento em Composição pela University of Southern California.
Enquanto professor, exerceu magistério na E.M.U.F.R.J de 1965 a 1995, tendo sido aí, em 1975, o primeiro professor da disciplina, proposta por ele mesmo, intitulada Música Brasileira. Desde 1973, leciona no Instituto Villa-Lobos do Centro de Artes e Letras da UNIRIO, onde se tornou professor titular em 1995, defendendo a tese do Sistema-T. Foi professor visitante, em 1997, na Universidade Estadual de Nova Iorque, em Albany, onde lecionou Composição Musical e Música Brasileira e fez várias conferências em universidades americanas. Foi, ainda, músico residente, em Bellagio (Itália), em 2000, através da Fundação Rockefeller, onde compôs o Quarteto n.º 3 para Cordas. Foi, também, professor visitante da Universidade Nova de Lisboa no período letivo 2002-03.
Para além da composição acima referida, Ricardo Tacuchian compôs: 7 Ciclos de Canções e algumas canções isoladas para voz e piano; uma oratória; 4 cantatas, das quais se destaca a Cantata de Natal (1978), estreada no Rio de Janeiro nesse mesmo ano, com transmissão radiofónica, em 1991, nos EUA, com duas versões gravadas pela televisão brasileira e com estreia na Europa, em 2004, na Igreja Nossa Senhora da Lapa, no Porto (Portugal). Compôs, ainda, cerca de 30 coros à capela; por volta de 20 peças para piano, violão, flauta, clarinete, harpa, xilofone; cerca de 25 peças para dois, três, quatro e cinco instrumentos das quais se salienta Transparências (1987) e algumas Estruturas, como Estruturas Simbólicas (1973) e Estruturas Divergentes (1977); alguns conjuntos musicais maiores, tal como Toccata Urbana (1999), cuja estreia foi em Nova Iorque, em 2000; 7 peças para Orquestra de Cordas com ou sem solistas; Peças para Orquestra Sinfónica e Música de Computador, como Prisma (1989) e Los Angeles (1989). Num total de mais de 150 títulos tocados em quase todo o ocidente, com cerca de 1000 apresentações públicas e 50 itens discográficos, Tacuchian editou dois Cds, Estruturas e Imagem Carioca, exclusivamente com a sua música.
Como regente, atuou em vários concertos de câmara, camerísticos e corais, a nível nacional e estrangeiro. É maestro titular da Orquestra de Câmara UNIRIO, entre 2002 e 2004. A sua música foi tocada em inúmeras salas e séries nacionais e internacionais, como Park Lane Group Music Today Series (London), Salle Gaveau (Paris), Teatro Filodrammatici (Milão), Filarmónica de Novossibirsk (Rússia), Terra Brasilis (Stockholm, Suécia), Fulbright Concert (Los Angeles), University of New York (Buffalo), University of New York (Albany), Vorpal Gallery (San Francisco), Carnegie Hall (New York), Florida International University (Miami), Fundacion Encuentros Internacionales de Música Contemporânea e Teatro Colon (Buenos Aires), entre muitos outros.
Ricardo Tacuchian recebeu vários prémios e títulos honoríficos, como o Tribune Internationale des Compositeurs du Conseil lnternational de la Musique, UNESCO, onde representou o Brasil, em 1977, com a peça Estruturas Primitivas; Academic Achievement Award, em 1990, pela University of Southern California; o Prémio International Man of the Year for 1992/93 (em Música) pelo Internacional Biographical Centre, em Cambridge, Grã-Bretanha, entre outros. Recebeu, ainda, várias bolsas de pesquisa, de trabalho e encomendas nacionais e estrangeiras.
A sua música situa-se numa variedade de correntes que vão desde os elementos e ritmos tradicionais brasileiros às influências mais experimentais e pós-modernistas.
Como referenciar: Ricardo Tacuchian in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-09-26 22:29:02]. Disponível na Internet: