Rio Maior (concelho)

Aspetos Geográficos
O concelho de Rio Maior, do distrito de Santarém, localiza-se na região de Lisboa e Vale do Tejo, na lezíria do Tejo. É limitado a norte pelo concelho de Alcobaça e pelas serras d'Aire e Candeeiros, a sul pela Azambuja, a oeste pelas Caldas da Rainha e pelo Cadaval e a este por Santarém.
No total, abrange uma área de cerca de 271,1 km2 e é constituído por quatorze freguesias: Alcobertas, Arrouquelas, Arruda dos Pisões, Asseiceira, Assentiz, Azambujeira, Fráguas, Malaqueijo, Marmeleira, Outeiro da Cortiçada, Ribeira de S. João, Rio Maior, S. João da Ribeira e S. Sebastião. Em 2005, o concelho apresentava 21 524 habitantes.
O natural ou habitante de Rio Maior denomina-se rio-maiorense.
Grande parte do concelho é constituída por material sedimentar - grés, argilas e calcário - da era terciária, o qual deu origem à formação de grandes jazigos de gesso e sal-gema, ou seja, importantes formações salinas.

História e Monumentos
Rio Maior evidencia alguns vestígios das presenças romana e árabe na região. No entanto, o mais antigo documento encontrado sobre Rio Maior data de 1177. A vila foi elevada a cidade a 14 de agosto de 1985.
Toda a história do concelho se resume à exploração do sal.
Para além do património natural, de que são exemplo as salinas naturais de Rio Maior e importantes grutas de minas de ferro e bronze na serra dos Candeeiros, existem no concelho vários monumentos, destacando-se a Igreja de Sta. Maria Madalena, o Pelourinho de Azambujeira, a Vila Romana, cujas ruínas foram descobertas em 1992, e a Igreja da Misericórdia.

Tradições, Lendas e Curiosidades
Existem duas feiras no concelho - a Feira das Tasquinhas, em março, que está relacionada com produtos alimentares, e a Feira Nacional da Cebola, a 1 de setembro. As festas são em grande número, nomeadamente: as festas de Sto. André, de S. Domingos, de S. Sebastião e de N. Sra. da Virtude, no primeiro fim de semana de junho; a festa do Divino Espírito Santo, no dia 15 de junho; a festa de Ribibeira de Fráguas, no dia 16 de junho; a festa em honra de Sto. André, no dia 1 de julho; a festa de N. Sra. de Fátima, a 15 de julho; a festa de N. Sra. da Vitória, no dia 21 de julho; a festa de S. Pedro, a 26 de julho; a festa de Sra. da Encarnação, a 29 de julho; a festa de Sto. António, no último fim de semana de julho; a festa do Sal e em honra de S. Gregório, em agosto; a festa S. Domingos, no primeiro fim de semana de agosto; a festa de N. Sra. da Ribeira, no dia 4 de agosto; a festa de N. Sra. da Assunção, a 15 de agosto; a festa da Batata Doce e da N. Sra. da Virtude, em setembro.
O feriado municipal é a 6 de novembro.
No que diz respeito ao artesanato, podem encontrar-se no concelho mantas, cerâmica colorida e de barro vermelho e as "mocas" de madeira torneada.

Economia
O setor de atividade mais importante do concelho é o secundário. As principais indústrias são a agroalimentar, a metalomecânica e a de minerais não metálicos.
O setor terciário está relacionado com o turismo, o comércio a retalho e a restauração.
O setor primário está associado às culturas de cereais, hortícolas, da vinha, do olival e de pomares em explorações com dimensão inferior a 2 hectares. No que diz respeito à produção pecuária, a produção de suínos é a mais importante e a que tem maior tradição no concelho.

Como referenciar: Rio Maior (concelho) in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-08-24 12:36:45]. Disponível na Internet: