rizópode

Os rizópodes são protozoários que apresentam pseudópodes ("falsos pés"), isto é, prolongamentos citoplasmáticos temporários que utilizam na locomoção e na preensão de partículas orgânicas nutritivas que lhes servem de alimento.
Como exemplo de rizópodes podem indicar-se a Amiba que é um exemplo clássico deste grupo, muito comum na água doce. A mais comum é a do género Amoeba proteus.
Espécies idênticas à Amiba existem associadas a outros organismos. É o caso da Entamoeba coli habitante inofensivo do intestino grosso dos humanos, onde se alimenta de bactérias, e da Entomoeba dysenteriae, agente da desinteria amebiana tropical, que penetra na parede intestinal como verdadeiro parasita onde provoca ulcerações. Alimenta-se de elementos componentes dos tecidos. É eliminada com as fezes no estado de quisto, podendo ser ingerida, por um novo hospedeiro, através de alimentos conspurcados.
São também rizópodes os heliozoários que, ao contrário das amibas, que reptam sobre o substrato, pairam livremente na água ou estão fixos por um pedúnculo.
Emitem pseudópodes compridos, finos não ramificados e sustentados por uma diferenciação axial do citoplasma mais rígida. Servem de órgãos de captação de pequenos organismos que a eles adiram.
Os foraminíferos são rizópodes marinhos com conchas calcárias que fazem lembrar as dos caramujos. O corpo citoplasmático emite pseudópodes filiformes que saem da concha por uma única abertura príncipal ou por vários poros.
Em muitos mares, a vasa do fundo é formada, em grande parte, por conchas de foraminíferos.
Os radiolários são rizópodes muito abundantes nos oceanos Índico e Pacífico. Possuem esqueleto interno, a maior parte das vezes de sílica, que também entra na composição das vasas dos mares atuais e constitui extensas formações geológicas sedimentares. Os pseudópodes são filiformes e estão dispostos na periferia das células.
Como referenciar: Porto Editora – rizópode na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-01-16 23:14:36]. Disponível em