Romanceiro

Por romanceiro entende-se o conjunto dos rimances ou poemas tradicionais populares de origem medieval e transmissão oral que o Romantismo recuperou e elevou à categoria de tradição literária paralela à tradição neoclássica de transmissão escrita e erudita. Nesta empresa destacou-se Almeida Garrett (1799-1854) que, influenciado pelos trabalhos de pesquisa folclórica de Walter Scott (1771-1831), Thomas Percy (1729-1811) e John Gibbson Lockhart (1794-1854), com quem contactou durante os seus exílios em França e Inglaterra, procedeu à recolha e à recriação poética das baladas tradicionais portuguesas, primeiro em Adozinda (1828), depois nos três volumes do Romanceiro (1843-1851). Mais tarde, Teófilo Braga (1843-1924) editará Cancioneiro Popular, Romanceiro Geral, História da Poesia Popular Portuguesa (todos de 1867) e Cantos Populares do Arquipélago Açoriano (1869), todos eles marcados por preocupações filológicas e críticas que Garrett e a geração que se lhe seguiu ignoravam, preocupações essas que nortearam igualmente os trabalhos de Carolina Michaëlis de Vasconcelos (1851-1925), Adolfo Coelho (1847-1919) ou Consiglieri Pedroso (1851-1910), entre outros.
Como referenciar: Romanceiro in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-05-26 20:57:20]. Disponível na Internet: