Russell Boyd

Diretor de fotografia australiano, Russell Boyd nasceu a 21 de abril de 1944 em Geelong, Victoria.
Desde cedo apaixonado por fotografia, um dos seus primeiros trabalhos foi como operador de câmara numa televisão de Melbourne, após o qual trabalhou em publicidade televisiva em Sydney. Em 1974, o seu amigo realizador Mike Thornhill fez o drama Between Wars e Boyd junta-se à sua equipa de filmagem. Pelo seu trabalho nesse filme recebeu o Prémio da Sociedade de Diretores de Fotografia Australianos. Depois disso, encetou uma colaboração com o realizador Peter Weir em Picnic at Hanging Rock (Piquenique em Hanging Rock, 1975), pelo qual ganhou o Prémio Saturn. Seguiram-se o thriller The Last Wave (A Última Vaga, 1977), Gallipoli (1981) e The Year of Living Dangerously (O Ano de Todos os Perigos, 1982), todos de Weir.
Trabalhou depois com Bruce Beresford em Tender Mercies (Amor e Compaixão, 1983) e, em 1986, dirigiu a fotografia do estrondoso êxito que foi Crocodile Dundee (Crocodilo Dundee), assim como da sua sequela, Crocodile Dundee II (Crocodilo Dundee 2, 1988). Posteriormente, trabalhou em filmes como White Men Can't Jump (Branco Não Sabe Meter, 1992), Forever Young (Eternamente Jovem, 1992), Liar, Liar (Mentiroso Compulsivo, 1997), Doctor Doolittle (1998) e American Outlaws (2001).
Em 2003, ganhou o Óscar pelo seu excelente trabalho no filme Master and Commander: The Far Side of the World (Master e Commander: O Lado Longínquo do Mundo), mais uma vez em colaboração com o realizador Peter Weir.
Como referenciar: Russell Boyd in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-08-23 12:07:15]. Disponível na Internet: