S. Silvestre I

Nascido em data desconhecida de um romano de nome Rufino, segundo o Liber pontificalis, e de Justa, de acordo com o Vita beati Sylvestri, morreu em 31 de dezembro de 335. Depois da morte de Melquíades, São Silvestre foi nomeado Bispo de Roma, ocupando este cargo durante 21 anos. Papa de 31 de janeiro de 314 a 31 de dezembro de 335, não existe grande informação sobre o seu pontificado apesar de esta ser a época de Constantino, o Grande, em que a igreja sofreu uma notável evolução. Uma lenda antiga menciona a relação do santo com o primeiro imperador cristão mas não está de acordo com os factos históricos.
A maior parte das lendas sobre a sua vida foram compiladas no Vita beati Sylvestri que surgiu no Oriente e foi preservada em grego, siríaco e latim no Constitutum Sylvestri, um relato apócrifo de um concílio e no Donatio Constantini. Estas narrativas que mencionam a perseguição de São Silvestre, o concílio dos 275 bispos de Roma, a cura e o batismo do imperador Constantino, a dádiva imperial ao Papa e os direitos que lhe foram concedidos não passam de lendas. No entanto, São Silvestre participou no concílio de Nicéia e nas negociações relativas à condenação do Arianismo. O primeiro concílio ecuménico teve a participação de legados enviados pelo Papa. Muito prudente, São Silvestre enviou legados ao Concílio de Arles, (1-8-314) que confirmou a condenação dos Donatistas, heréticos que defendiam que o batismo não era válido quando ministrado por quem não tinha uma vida santa. Foram construídas grandes igrejas em Roma durante o pontificado de São Silvestre, tais como a Basílica e o Batistério de Latrão, junto ao primeiro palácio imperial onde o Papa vivia, a Basílica do Palácio Sessoriano (Santa Croce in Gerusalenne), a igreja primitiva de São Pedro no Vaticano e várias igrejas e cemitérios sobre os túmulos de mártires. A figura de São Silvestre está especialmente ligada à Igreja de Equitius, um presbítero romano, situada perto das termas de Diocleciano. Responsável pela existência da escola romana de canto, São Silvestre contribuiu ainda para o desenvolvimento da liturgia da Igreja, tendo o primeiro martirológio sido concebido durante o seu pontificado. O túmulo de São Silvestre situa-se na igreja por ele mandada construir do cemitério da Catacumba de Priscila, à Via Salaria.
Como referenciar: Porto Editora – S. Silvestre I na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-06-19 14:25:01]. Disponível em