Santo Tirso

Aspetos Geográficos
O concelho de Santo Tirso, do distrito do Porto, localiza-se na Região Norte (NUT II), no Ave (NUT III). Faz parte do Douro Litoral, ficando situado na margem esquerda do rio Ave, sendo o rio um dos elementos que mais definem a paisagem do concelho, juntamente com a forte implantação industrial. Abrange parte dos rios Vizela, Ave e Leça. Dista cerca de 28 quilómetros da cidade do Porto.
Santo Tirso encontra-se rodeado pelos concelhos de Vila Nova de Famalicão, de Guimarães e de Vizela, que pertencem ao distrito de Braga, a norte; de Lousada e de Paços de Ferreira, a este; de Valongo, a sul, e da Maia e da Trofa, a oeste. Numa área de 135,8 km2 distribuem-se 24 freguesias: Agrela, Água Longa, Areias, Aves, Burgães, Carreira, Guimarei, Lama, Lamelas, Monte Cordova, Palmeira, Rebordões, Refojos de Riba de Ave, Reguenga, Roriz, Couto (Santa Cristina), Santo Tirso, Negrelos (São Mamede), Campo (São Martinho), Couto (São Miguel), São Salvador do Campo, Negrelos (São Tomé), Sequeiró e Vilarinho.
Em 2005, o concelho apresentava 71 757 habitantes.
O natural ou habitante de Santo Tirso denomina-se são-tirsense ou tirsense.

História e Monumentos
O concelho é povoado desde tempos longínquos, como o atestam os vestígios arqueológicos que remontam à Pré-História.
Santo Tirso, anteriormente chamado de Santo Tirso de Riba de Ave, cresceu à volta do mosteiro de S. Bento, localizado próximo do rio Ave. Assume o estatuto de concelho desde 1863.
Do seu património destacam-se o mosteiro beneditino de S. Bento, fundado no século X, o mosteiro de Vilarinho, do século XI, o mosteiro de Roriz, o Santuário da Senhora da Assunção, a Igreja Matriz de Água Longa, a Igreja de S. Pedro, a Igreja de S. Tomé de Negrelos, a Capela de Santa Maria de Negrelos, a Ponte da Lagoncinha, o Miradouro da Torre, o castro do Monte Padrão e a Quinta do Paço.

Tradições, Lendas e Curiosidades
Em Santo Tirso o dia de mercado é a segunda-feira.
A 21 de março tem lugar a feira de S. Bento. No primeiro domingo de julho realiza-se a festa de S. Bento da Batalha. No segundo domingo de março tem lugar a romaria de S. Rosendo; em junho, Santo António e Senhor do Padrão, em Monte Cordova; no domingo imediato a 24 de agosto, S. Bartolomeu, em Santo Tirso, e no primeiro domingo de setembro, Nossa Senhora das Dores, em Reguenga.
O feriado municipal é no dia 11 de julho.
Do património etnográfico fazem parte as festas agrícolas, como as desfolhadas do milho e as vindimas.
O artesanato do concelho engloba os jugos, as cangas de bois, os brinquedos de madeira, as mantas e os tapetes feitos em teares manuais e os trabalhos em ferro forjado e em granito.

Economia
O concelho apresenta um forte desenvolvimento industrial. Apesar das marcas da poluição, a sua paisagem confere-lhe potencialidades para o desenvolvimento turístico. A agricultura é uma prática antiga, que aproveita os solos férteis e a abundância de água para a produção de milho, de produtos hortícolas, de batata e de vinho. No entanto, podem encontrar-se explorações com considerável modernização, viradas essencialmente para o abastecimento do mercado e não somente para o auto-consumo. A criação de gado surge também como uma atividade económica importante para a economia do concelho.
Como referenciar: Santo Tirso in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-07-22 00:37:25]. Disponível na Internet: