Shirin Ebadi

Ativista dos direitos humanos iraniana nascida em 1947, também conhecida como Shirin Ibadi ou Chirine Ebadi. Licenciou-se em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Teerão em 1969 e tornou-se a primeira mulher a ocupar o cargo de juíz em 1975. Em 1979, com a Revolução Iraniana, foi forçada a deixar o cargo e a trabalhar como advogada. Ajudou a fundar a Sociedade Protetora dos Direitos das Crianças no Irão em 1994. Seis anos mais tarde, em 2000, foi advogada das famílias de intelectuais e escritores vítimas de perseguições sistemáticas e assassínios, levados a cabo nos dois anos anteriores, o que a levou à prisão sob a acusação de tentar influenciar a opinião pública sobre estes casos.
Foi galardoada com vários prémios ligados à defesa dos direitos humanos, como o prémio da Human Rights Watch em 1996 e o Prémio Rafto, o prémio dos Direitos Humanos da Noruega.
Em 2003 recebeu o prémio Nobel da Paz pelos esforços empreendidos em nome da democracia e dos direitos humanos.
Escreveu livros e diversos artigos cujo tema central são os direitos humanos, entre eles estão os livros The Rights of the Child. A Study of Legal Aspects of Children's Rights in Iran (1994, tradução inglesa) e History and Documentation of Human Rights in Iran (2000, tradução inglesa).
Como referenciar: Shirin Ebadi in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-07-16 09:21:39]. Disponível na Internet: