Simple Minds

Os Simple Minds surgiram das cinzas dos Johnny and the Self-Abusers, uma banda punk da qual fizeram parte os amigos de infância Jim Kerr (n. 09-07-59) e Charlie Burchill (n. 27-11-59). Em 1978, em Glasgow, Jim, na voz, e Charlie, na guitarra e teclas, juntaram-se a Duncan Barnwell, na guitarra, Mick McNeil (n. 20-07-58), nas teclas, Tony Donald, no baixo, e Brian McGee, na bateria, para formar uma das mais bem sucedidas bandas da pop-rock dos anos 80.
A formação do grupo sofreu algumas alterações ao longo dos anos, mas Jim Kerr e Charlie Burchill permaneceram sempre como o seu núcleo. Em 1978, Barnwell e Donald saíram do grupo, entrando Derek Forbes (n. 22-06-56) para o baixo. Em 1980, McGee deu o seu lugar a Kenny Hyslop (n. 14-02-51) na bateria, sendo este pouco tempo depois substituído por Mike Ogletree. Em 1982, a bateria voltou a mudar de dono, com a entrada de Mel Gaynor (n. 29-05-59). Em 1984 Forbes foi substituído por John Giblin no baixo. Em 1989, saiu Mick McNeil, que foi substituído por Peter Vitesse nas teclas. Vitesse saiu em 1993.
Os primeiros anos foram relativamente modestos em termos de sucesso. Estrearam-se em 1979 com o single "Life In A Day", seguido do álbum com o mesmo nome. Em seguida surgiram Real To Real Cacophony (1979) e Emprires And Dance (1980), este último um álbum mais dançável, do qual fez parte o tema "I Travel". Os álbuns Sons And Fascination (1981) e Sister Feelings Call (1981) marcaram uma transição para sonoridades pop mais acessíveis, com os temas "The American", "Love Song" e "Sweat In Bullet". No entanto, seria com New Gold Dream (1982), que o grupo faria a transição para a popularidade mundial. Fizeram parte deste trabalho temas como "Promised You A Miracle", "Glittering Prize" e "Someone Somewhere (In Summertime)". O ano de 1984 trouxe o casamento de Jim Kerr com Chrissie Hynde, vocalista dos Pretenders, e a edição de Sparkle In The Rain (1984), álbum que incluiu os clássicos "Waterfront" e "Speed Your Love To Me".
Em 1985 o grupo gravou o tema mais marcante da sua discografia: "Don't You (Forget About Me)", que fez parte da banda sonora do filme The Breakfast Club. Esta canção foi tocada ao vivo na participação no concerto Live Aid. No mesmo ano foi editado Once Upon A Time, o trabalho que obteve maior êxito no nosso país, graças aos singles "Alive & Kicking", "Sanctify Yourself", "All The Things She Said" e "Ghostdancing".
Em 1988, o grupo tocou no concerto do 70.º aniversário de Nelson Mandela, para o qual compuseram o tema "Mandela Day". Ainda na década de 80 foram editados os álbuns Live: In The City Of Life (1987), Ballad Of The Streets, com o forte tema "Belfast Child", e Street Fighting Years (1989).
A década de 90 abriu com uma participação marcante no concerto de tributo a Nelson Mandela, em Wembley. No entanto, os álbuns do grupo não atingiram o êxito da década anterior: Real Life (1991), do qual fizeram parte os temas "Let There Be Love", "See The Lights" e "Stand By Love"; Good News From The Next World (1995), que incluiu "She's A River" e "Hypnotised"; e Néapolis (1998), do qual foram extraídos os singles "Glitterball" e "War Babies".
Os Simple Minds atuaram por duas vezes em Portugal: a 31 de julho de 1991 e a 4 de julho de 1997, ambas em Lisboa.
A banda escocesa parece ter perdido o glamour doutros tempos. Em 2001, editou um álbum de versões. Neon Lights continha versões de temas clássicos como "The Man Who Sold The World" (David Bowie), "Hello, I Love You" (The Doors) e "The Needle & The Damage Done" (Neil Young), entre outros. No ano seguinte, Cry mostrou os novos originais do grupo, mas teve passagens muito discretas pelas tabelas de vendas. O mesmo aconteceu com o seu sucessor, o álbum Ous Secrets Are The Same (2003).
O melhor período dos Simple Minds parece já ter passado. A época dourada que viveram na segunda metade dos anos 80 parece longínqua. Ainda assim, a coletânea The Best Of Simple Minds (2002) regista os temas mais expressivos desta singular banda escocesa.
Como referenciar: Porto Editora – Simple Minds na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-10-26 01:45:54]. Disponível em