Sociedade Independente de Comunicação (SIC)

A estação de televisão SIC começou a emitir a 6 de outubro de 1992 e foi o primeiro canal privado e comercial português a fazer concorrência à estatal Radiotelevisão Portuguesa.
Quando apareceu, a SIC fez uma grande campanha de divulgação em todo o tipo de meios de comunicação, incluindo a rival RTP. Em paralelo, fez uma campanha de sintonização para ensinar as pessoas a procurar o novo canal nos seus aparelhos de televisão. Para tal distribuiu folhetos explicativos e assegurou a colaboração dos comerciantes de eletrodomésticos e de estabelecimentos como cafés e restaurantes para que estes sintonizassem a SIC. Após uma detalhada análise ao mercado televisivo, o canal, propriedade Francisco Pinto Balsemão e, na altura, sob a direção de Emídio Rangel, optou por ser uma televisão generalista, de modo a captar as maiores audiências possíveis.
Assim, logo a partir do momento em que a jornalista Alberta Marques Fernandes, a 6 de outubro de 1992, anunciou o arranque, a SIC mostrou ser um canal virado para o espetáculo. Para além da aposta no entretenimento e nos programas de ficção, maioritariamente falados em português, investiu bastante na informação. Com o concurso "Chuva de Estrelas", estreado a 1 de outubro de 1993, a SIC chegou pela primeira vez ao topo dos programas mais vistos em Portugal. Neste concurso, apresentado inicialmente por Catarina Furtado, os concorrentes imitavam os seus cantores preferidos. Foi o primeiro passo para em maio de 1995 a SIC destronar definitivamente a RTP como líder nacional de audiências. Desta forma, tornou-se no canal de televisão a nível internacional que em menor espaço de tempo conseguiu os melhores resultados de audiências. Para tal, para além de Catarina Furtado, contribuiu o trabalho de apresentadores como João Baião, Jorge Gabriel e Júlia Pinheiro, entre outros, assim como de jornalistas como José Alberto Carvalho e Rodrigo Guedes de Carvalho.
Mas a supremacia da SIC a nível de audiências começou a ser ameaçada em 2000 com a renovação que foi levada a cabo na TVI. O concurso Big Brother e as telenovelas portuguesas levaram a TVI à liderança de audiências e a SIC acabou por entrar em crise. A resposta da SIC não foi eficiente e em 2001 Emídio Rangel acabou por abandonar o canal e ingressar na RTP. Consigo levou alguns profissionais como Alberta Marques Fernandes, José Alberto Carvalho, Júlia Pinheiro e Jorge Gabriel. Mesmo assim a SIC conseguiu recuperar a liderança das audiências.
Entretanto, o ano de 2001 tinha ficado marcado pelo arranque de canais temáticos da SIC, transmitidos através da TV Cabo. Assim surgiram a SIC - Notícias, canal exclusivamente dedicado à informação, e a SIC - Radical, um canal mais irreverente destinado a um público essencialmente jovem. Existe ainda a SIC - Gold, destinada a repetir programas que fizeram sucesso na SIC, e a SIC - Internacional, para portugueses residentes na Europa, África e Estados Unidos da América. A 8 de março de 2003 surgiu um novo canal dedicado ao público feminino, o SIC Mulher, sob a direção de Sofia de Carvalho.
Como referenciar: Sociedade Independente de Comunicação (SIC) in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-06-17 08:42:45]. Disponível na Internet: